Santa Clara e Marítimo não chegavam à Cidade do Futebol com muitos pontos em comum, incluindo tudo o que se passou durante a pandemia onde sendo as duas únicas equipas insulares na Primeira Liga tiveram decisões quase opostas em relação à melhor forma de terminar a prova (com os açorianos a decidirem logo que viajariam para o Continente e ficariam por cá em estágio, enquanto os madeirenses bateram para o pé para fazerem os seus jogos no Funchal). E também em termos táticos e estratégicos eram diferentes. Havia ainda assim algo que os unia nesta fase recente do Campeonato: as vitórias frente ao Benfica e o que significaram para os seus objetivos.

“Vamos conquistar a melhor classificação de sempre do Santa Clara e, para isso, este jogo é para nós extremamente importante. Porque é um jogo na nossa casa, emprestada, mas é a nossa casa. O Marítimo vem à procura da estabilidade na tabela classificativa e o Santa Clara à procura da melhor classificação possível nesta fase da época, em que não estamos a olhar para trás. É isso que nos dá segurança também para abordar o jogo de forma bastante positiva, até porque queremos dar uma resposta rápida àquele jogo menos conseguido que tivemos no Bessa, ainda por cima sem pontos. Os jogadores do Santa Clara sabem que cada jogo tem a sua história e frente ao Marítimo vai ser complemente diferente”, referiu no lançamento João Henriques, técnico do Santa Clara.

“Temos de estar focados e não pensar que, por já termos feito isto [ganhar ao Benfica], as coisas vão acontecer naturalmente e que os pontos vão cair no nosso bolso. Temos que lutar muito para que os pontos fiquem connosco e não podemos pensar que com o Santa Clara vai ser tudo fácil. As coisas não funcionam assim nem me sinto mais confortável. Estou muito confiante mas não estou mais confortável e não estou mais confiante agora do que estava no início da retoma nem do que estava antes do jogo com o Benfica. Estarei confortável quando, matematicamente, estiver na posição que garanta o que nós queremos”, disse José Gomes, treinador do Marítimo.

No final, o balão do Marítimo teve muito mais gás do que o do Santa Clara, que já perdera algum ar na deslocação ao Bessa. Pela segunda vez na presente temporada os insulares conseguiram somar dois triunfos consecutivos e, com 35 pontos, colocaram-se numa posição bem mais confortável na tabela classificativa, naquele que foi também o segundo jogo seguido sem sofrer golos desde que Amir rendeu Charles na baliza. Ao contrário do que aconteceu com o Benfica, onde já levava cinco defesas nos 20 minutos iniciais, o iraniano esteve menos em jogo mas quando foi preciso cumpriu. Lá na frente, Rodrigo Pinto acertou no poste e viu Marco defender mas nunca conseguiu o golo que lhe desse o prémio de MVP. E acabou por ser Xadas, médio emprestado pelo Sp. Braga, a entrar em campo para fazer o único golo do encontro num livre lateral na direita em arco que não sofreu qualquer desvio.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.