O Ministério Público português está a investigar André Gustavo, antigo publicitário de Passos Coelho, e há três semanas o inquérito foi anexado ao caso EDP. A campanha da coligação PSD/CDS das legislativas de 2015 é um dos alvos da investigação, uma vez que a justiça brasileria registou uma coincidência de valores entre um alegado suborno pago pela construtora Odebrecht a André Gustavo e o montante que o publicitário brasileiro recebeu do PSD nesse ano eleitoral. Ao Observador, o antigo publicitário de Passos Coelho diz que trabalhou “para o PSD de forma profissional, tendo inclusive coordenado a comunicação nas legislativas de 2011 e 2015, ambas vitoriosas”. E assegurou:”Nunca cometi qualquer ato que possa ser considerado ilícito.”

Caso EDP. Ministério Público investiga campanha de Passos de 2015. Valores em causa foram declarados ao Tribunal Constitucional

Sobre as pistas dos procuradores brasileiros — que levantam a hipótese de o “Príncipe” (o decisor político que justificaria o suborno) ser Pedro Passos Coelho — Gustavo diz desconhecer a “carta rogatória” e acusa a imprensa portuguesa de “não ser objetiva” relativamente aos documentos que “cita” neste caso. Ora, o Observador — bem como outros jornais — foi muito claro quanto aos documentos a que se referia: um inquérito que decorria no DCIAP (em rigor, o inquérito nº184/12.5 TELSB) e a resposta do Ministério Público Federal brasileiro ao Ministério Público Português, elaborado pela Força-Tarefa Operação Lava Jato (mais especificamente o ofício nº 6613/2019 – PRPR/FT).

Caso EDP. O cerco do Brasil ao “Príncipe” português: as dúvidas sobre quem recebia pagamentos do publicitário de Passos

André Gustavo diz ainda ao Observador, numa curta resposta enviada por email, que não se pode “pronunciar sobre nomes fictícios ou expressões como: ‘sugerem’ , ‘teria sido’, ‘poderá ter’, ‘é possível’, ‘eventual’, ‘levantam suspeitas’ [porque] não trazem objetividade alguma em relação a nada”.

Caso EDP. O cerco do Brasil ao “Príncipe” português: as dúvidas sobre quem recebia pagamentos do publicitário de Passos

Ouvido pela justiça brasileira, André Gustavo sempre reiterou que o trabalho que prestou em Portugal foi feito dentro da lei. Aos procuradores chegou a dizer: “Eu presto consultoria ao Partido Social Democrata em Portugal, em que fiz duas campanhas eleitorais para o primeiro-ministro, ganhei as duas por sinal. E o partido há 8 anos mantém uma consultoria comigo. Legal, correta, declarado no imposto de renda, declarado tudo bonitinho, não há nada errado.” André Gustavo trabalhou para o PSD durante toda a liderança de Passos Coelho, que foi de 2010 a 2017.

Em 2018, segundo noticiou a Globo, André Gustavo foi condenado no âmbito do processo Lava-Jato “por corrupção e lavagem de dinheiro a 6 anos, 6 meses e 20 dias em regime semiaberto”. No dia seguinte, o juiz Sergio Moro colocou-o em liberdade, justificando esta decisão de “progressão de regime” (que alterou o cumprimento da pena para uma condição mais favorável) com o facto de Gustavo ter confessado os crimes, ter colaborado com a justiça e ter-se comprometido a devolver o valor recebido indevidamente. De acordo com o Ministério Público Federal (MPF) do Brasil, André Gustavo teria estado envolvido na negociação de um suborno ao ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras, Aldemir Bendine, bem como na intermediação desse mesmo pagamento (no valor de 3 milhões de reais, cerca de 455. 700 euros).