Cinco incêndios florestais, ocorridos entre 11 e 29 de agosto deste ano, em várias localidades dos concelhos de Almeida e de Pinhel. Mais de 8, 1 hectares ardidos. É exatamente pela prática destes cinco incêndios que um homem e uma mulher estão fortemente indiciados  — o que levou a que fosse detidos pela Polícia Judiciária (PJ), segundo informa este órgão de investigação criminal num comunicado emitido esta segunda-feira.

O casal atuava conjuntamente e deslocava-se de motociclo entre os vários locais onde vinha ateando sucessivos focos de incêndio”, lê-se no comunicado enviado às redações.

O primeiro fogo posto terá sido registado a 11 de agosto, pelas 21h45, na localidade de Azinhal, no concelho de Almeida. O segundo a 13 de agosto, pelas 20h45, terá tido origem na estrada que liga as localidades de Valverde, ainda no concelho de Almeida, e de Carvalhal, já no concelho de Pinhel. No conjunto, afirma a investigação, “arderam mais 5,5 hectares, formados por mato rasteiro, azinheiras e pinheiros”. Caso os bombeiros não tivessem conseguido extinguir o fogo, as chamas poderiam ter posto em perigo um posto de abastecimento de combustível existente nas proximidades, segundo detalha a PJ.

Um novo incêndio foi detetado no passado sábado, por volta das 18h00, na estrada que liga as localidades de Valverde a Senouras, no concelho de Almeida. Este fogo esteve na origem de mais dois incêndios, “separados entre si por uma distância de aproximadamente 1.600 metros”.

No seu conjunto, estes três incêndios levaram à destruição de aproximadamente 2,6 hectares de coberto vegetal, composto por azinheiras e mato rasteiro, provocando avultados prejuízos, que só não foram ainda maiores devido à rápida e eficaz ação dos bombeiros”, informa a PJ.

Segundo detalha este órgão no comunicado, os suspeitos “são dois desempregados, com as idades de 47 e 26 anos”. O casal terá ateado os fogos “por meio de chama direta, com recurso à utilização de isqueiros ou fósforos”. “Até agora”, não foram “determinadas quaisquer razões minimamente explicativas de tão perigosos comportamentos”

Os detidos serão agora presentes a um juiz para primeiro interrogatório judicial e aplicação de eventuais medidas de coação tidas por necessárias e mais adequadas.