Banksy perdeu os direitos de autor de uma das imagens mais célebres da sua autoria – The Flower Thrower (o Lançador de Flores) – por decidir manter o anonimato. A decisão pode abrir um precedente que põe em risco o reconhecimento da autoria de muitas outras obras do artista, se este insistir em não revelar a sua identidade.

Segundo o jornal BBC, o artista de Bristol perdeu os direitos da imagem do manifestante que atira um ramo de flores porque uma empresa gráfica, a Full Colour Black, que tem comercializado postais de felicitações e outros cartões com a imagem, argumentou em tribunal há dois anos que a obra era anónima, e que por isso não havia razão para a não utilizar. Agora, passados os dois anos da batalha judicial, o Instituto da Propriedade Intelectual da União Europeia (EUIPO) deu razão à empresa gráfica.

O EUIPO afirma ainda que “Banksy optou por permanecer anónimo e, na maioria das vezes, pintar os graffitis na propriedade de outras pessoas sem a sua permissão, em vez de pintá-los na tela ou na sua própria propriedade”.

O tribunal considerou ainda que a abertura da loja de Bansky em Londres, em 2019, trata-se de um “contorno à lei”, uma vez que sem se identificar o artista não se pode vender as peças e,que este abriu a loja de modo a poder vender as peças sem ter de ser identificar, para preservar as obras sob seu domínio.

Banksy corre agora o risco de perder a autoria de outras obras se se mantiver anónimo. O artista é conhecido pelas suas obras profundamente marcadas pela crítica social e política, que faz aparecer do dia para a noite, em locais públicos.