Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

22 jogos. Bruno Fernandes só precisou de 22 jogos no Manchester United na temporada passada, somente na segunda metade da época, para ser considerado pelos adeptos o Jogador do Ano dos red devils. Esta semana, o médio português recebeu o Sir Matt Busby Award e juntou-se a nomes como Cristiano Ronaldo, David Beckham, Wayne Rooney e David De Gea, que também receberam a distinção anteriormente.

E nas últimas semanas, entre o escasso período de férias de que os jogadores do Manchester United beneficiaram e os compromissos internacionais, Bruno Fernandes foi um de dois elementos do plantel de Solskjaer que acabaram distinguidos por bons motivos — em contraste claro com outros dois que andaram nas bocas do mundo mas pelas piores razões. Se Harry Maguire foi preso por desacatos na Grécia e Mason Greenwood foi dispensado da seleção inglesa por quebrar as regras de segurança sanitária, Bruno Fernandes continua a ser o preferido dos adeptos e Marcus Rashford é agora o preferido de todos os adeptos.

O jovem avançado inglês, que na temporada passada protagonizou um movimento que acabou por levar o governo de Boris Johnson a prolongar o sistema de refeições gratuitas nas escolas durante as férias, continua a envolver-se na luta pela erradicação da fome infantil no Reino Unido — e agora até foi elogiado por um rival. “O Marcus Rashford pode muito bem tornar-se o primeiro jogador do Manchester United a ser ovacionado em Anfield. Ele fez com que políticos mudassem uma decisão porque queria que todos os miúdos tivessem todas as refeições. O que ele fez é fantástico, extraordinário. São as duas palavras que toda a gente estava a dizer durante a pandemia: Marcus Rashford”, disse Andy Robertson, lateral escocês do Liverpool, em entrevista ao The Times.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ora, este sábado, e depois de ter saltado a primeira jornada do fim de semana passado devido à participação prolongada e recente na Liga Europa, o Manchester United estreava-se na atual edição da Premier League. Contra o Crystal Palace, em Old Trafford, Solskjaer apresentava um onze que deixava transparecer que muitos dos habituais titulares estão ainda a recuperar a forma física e que a equipa ainda não tem ainda a dinâmica recomendada: Fosu-Mensah era o lateral direito, McTominay estava no meio-campo com Pogba e Bruno Fernandes e Daniel James era titular no ataque em conjunto com Martial e Rashford. Greenwood, Fred e Wan-Bissaka, habituais titulares no final da época passada, estavam no banco, assim como Van de Beek, médio holandês que é ainda o único reforços dos red devils este verão.

Um onze alternativo que, dentro de campo, acabou por mostrar pouco nos minutos iniciais. O Manchester United ia realizando uma exibição muito pobre quando, ainda dentro dos primeiros 10 minutos, Townsend inaugurou o marcador com um remate de primeira ao segundo poste depois de um cruzamento vindo da esquerda (7′). A equipa de Solskjaer era castigada por uma entrada muito apática na partida e não conseguiu propriamente empreender uma reação à desvantagem — o Crystal Palace, de forma compreensível, recuou no terreno e juntou as linhas perto da grande área e o Manchester United procurou subir no relvado. As ideias, porém, eram poucas e os dois momentos mais perigosos junto da baliza de Guaita foram de Bruno Fernandes, com remates para defesas fáceis do guarda-redes espanhol.

Antes do intervalo, foi até o Palace a ficar perto de aumentar a vantagem, com um remate de Ayew que obrigou De Gea a uma enorme defesa (45+1′), e transparecia a ideia de que Solskjaer teria de mexer na equipa para ir atrás do resultado. No início da segunda parte, Daniel James saiu para dar lugar a Greenwood mas o marasmo de criatividade manteve-se — Bruno Fernandes estava visivelmente fatigado no meio-campo, Pogba mal tinha intervenção na dinâmica ofensiva e a bola não chegava nem a Rashford nem a Martial. E a chegar à hora de jogo, notava-se que o Palace já tinha jogos oficiais e que o Manchester United não tinha tido sequer uma pré-época.

Manchester United v Crystal Palace - Premier League

Van de Beek entrou para o lugar de Pogba já na segunda parte e estreou-se como jogador do Manchester United

Foi por volta dessa altura que Greenwood acabou por ter a primeira oportunidade do United em todo o jogo, ao cabecear ao lado depois de um cruzamento de Fosu-Mensah na direita (60′). Solskjaer reagiu com a entrada de Van de Beek, que se estreou em Inglaterra, para o lugar de Pogba mas os problemas não tinham solução: Rashford estava demasiado encostado à ala, Bruno Fernandes estava em dia ‘não’, Martial não tinha espaço nem bola para desequilibrar. O relógio foi avançando e Zaha acabou por aumentar a vantagem na conversão de um penálti cometido por Lindelof (74′) — que teve de ser repetido porque De Gea estava adiantado na primeira tentativa, desperdiçada por Ayew. Até ao fim, Van de Beek ainda se estreou a marcar pela nova equipa (80′) mas Zaha bisou logo de seguida e acabou com o jogo (85′).

O Manchester United perdeu com o Crystal Palace no primeiro jogo desta edição da Premier League e começou da pior forma uma temporada em que as expectativas face à equipa de Solskjaer até estão bastante elevadas. Num dia de total apatia dos red devils, fica a ideia de que um dia mau de Bruno Fernandes já é também e obrigatoriamente um dia mau para o Manchester United.