Disponível a partir desta quinta-feira nas operadoras MEO e NOS, a Acorn TV é um novo serviço de streaming dedicado a produções para televisão em língua inglesa, provenientes, sobretudo, do Reino Unido, mas também da Austrália, Nova Zelândia, Canadá e Irlanda. O serviço pretende ser uma alternativa mais em conta quando comparado com a Netflix, a HBO Portugal ou o Disney+ (2,99€ é o valor da mensalidade desta nova proposta).

A Acorn já existe há quase três décadas nos Estados Unidos e a sua origem tem alguns paralelos com a Netflix: começou com a distribuição e venda de VHS e, posteriormente, para DVD e Blu-ray. Foi só em 2013 que a Acorn TV estabeleceu o modelo com que funciona hoje e que já tem mais de um milhão de assinantes no mercado norte-americano. O serviço pertence à AMC Networks e chega a Portugal com a experiência que o grupo adquiriu com o seu canal, onde estão séries como “Fear The Walking Dead”, “Das Boot: O Submarino” ou, em breve, o novo spin-off de “The Walking Dead”, “World Beyond”.

A oferta incide sobretudo em séries de mistério, drama e comédia, provenientes de canais como BBC, ITV, Channel 4, ABC Australia e RTE. Neste momento já há várias propostas disponíveis e todos os meses chegarão novidades, assegura o serviço. Por exemplo, em novembro chegará “Kingdom”, a ótima série com Stephen Fry que terminou em 2009. Para já, eis algumas sugestões sobre o que pode encontrar na Acorn TV.

“Doc Martin”

É uma das séries bandeira da Acorn TV. A estreia da sexta temporada, em 2013, foi uma das grandes novidades que o serviço de streaming apresentou no seu relançamento nos Estados Unidos em 2013. Uma produção da ITV, “Doc Martin” já tem nove temporadas – a décima, ainda por estrear, será a última – sobre a vida de um médico, interpretado por Martin Clunes, numa vila na Cornualha, no Reino Unido. O doutor Martin era um cirurgião de sucesso e bom currículo em Londres, mas depois de desenvolver uma estranha fobia a sangue, decidiu mudar de ambiente. Ao chegar à Cornualha, porém, uma terra mais pequena exige também de um conjunto de capacidades sociais que Martin não domina.

“Jack Taylor”

Inspirada nos romances policiais de Ken Bruen, a história de “Jack Taylor” acontece na cidade onde o escritor nasceu, Galway, na Irlanda. Taylor é interpretado por Iain Glen, que tão bem conhecemos de “Guerra dos Tronos”, onde foi Jorah Mormont. O seu papel não é o de um soldado fiel, mas do clássico detetive que perdeu o trabalho por causa do álcool. Agora, pega naqueles casos que a polícia não tem tempo ou coragem para resolver e transforma-se num justiceito de instinto raro e métodos por vezes questionáveis.

“Striking Out”

Mais uma produção irlandesa, desta vez com a atriz Amy Huberman – que protagoniza outra série na Acorn TV –, e mais uma série em volta do crime: desta vez mais do lado da lei. “Striking Out” é o clássico drama de advogados, um dos filões de maior sucesso na história da ficção televisiva. Cumpre as regras e o método que os fãs do género esperam, mas ao mesmo tempo, tem todas as diferenças que se esperam de um trabalho com carimbo irlandês e não americano.

“Finding Joy”

Amy Huberman (precisamente, a mesma Amy da série aqui em cima) escreveu, criou e protagoniza “Finding Joy”, uma das séries de comédia que se podem ver na Acorn TV. Joy encontra-se num daqueles cruzamentos da vida que podem dar dias complicados mas, ao mesmo tempo, conseguem resultar em histórias ótimas. Acabou uma relação e vai começar um novo trabalho. É esse novo trabalho que a leva às situações mais inusitadas e prósperas para encontrar aquilo que precisa: alegria e felicidade. Se a encontra ou não? Bom, esse é outro assunto. E além disso, não vamos agora aqui estragar a série a quem a for ver, certo?

“Detectorists”

Mackenzie Crook (conhecido sobretudo por ter desempenhado papéis marcantes em séries como “The Office” e “Guerra dos Tronos”) criou esta série de comédia, estreada em 2014 e que terminou em 2017, depois de três temporadas, sobre a vida de dois amigos, Andy e Lance. Ambos gostam de “detetar” coisas. Isto é, são especialistas em detetores de metais. Se esta não é uma boa premissa para uma série, não sabemos qual será. Trata-se de uma produção da BBC que teve algum sucesso e ganhou dois BAFTA.