Jair Bolsonaro publicou esta quinta-feira um vídeo na sua conta pessoal do Facebook com Eduardo Pazuello, ministro da Saúde brasileiro, que testou positivo à Covid-19 na passada terça-feira. Apesar de ser público que o governante está infetado, ambos estavam sem máscara e não mantinham qualquer distância.

O ministro da Saúde revelou no vídeo que tomou três medicamentos para a Covid-19, que classificou como o “kit completo”: a hidroxicloroquina, usada para tratar a malária e cuja utilização não é aconselhada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), a annitta, um antiparasitário usualmente utilizado para tratar gastroenterites, e a azitromicina, que trata infeções bacterianas.

Covid-19. OMS vai descontinuar uso de hidroxicloroquina em doentes hospitalizados

Apesar de os medicamentos ainda não estarem aprovados para o tratamento da Covid-19 e existirem dúvidas sobre a sua eficácia, Eduardo Pazuello confessou que se sente melhor: “A experiência que eu tenho é positiva”. E Jair Bolsonaro apelou mesmo à sua utilização:”Mais uma prova que tomou e deu certo. Alguns reclamam que a hidroxicloroquina não tem uma comprovação científica. Não tem para a Covid, mas tem para outras coisas e não tem efeito colateral“, afirmou Bolsonaro.

O ministro da Saúde acabou por corroborar as palavras do Presidente, dizendo o medicamento já tem “uma nova certificação científica” e caminha para ser aprovada. “Siga as prescrições do médico, se o médico prescrever [hidroxicloroquina] tome o mais rápido possível”, disse Pazuello. Acrescentou ainda que, caso o médico se recuse a receitar o medicamento, o paciente deve chamar outro médico “e se quiser tomar, assina o compromisso e toma”.

Os dois políticos desfizeram os rumores que davam conta de um desentendimento entre ambos: “Falaram até que a gente estava brigado. No meio militar é comum acontecer isso aqui. Algum choque de coisas. Não teve problema nenhum”. Estas declarações surgem na sequência da polémica que envolveu o plano para adquirir 46 milhões de doses da vacina chinesa Coronavac, que Bolsonaro rejeitou. Pazuello respondeu que “um manda e outro obedece, mas a gente tem um carinho”.

O Presidente aproveitou ainda para elogiar a prestação de Eduardo Pazuello: “Foi um dos melhores ministros da Saúde que tivemos, falei isso para a imprensa, pode ter certeza o trabalho dele está sendo excecional”

Brasil. Os avanços e os recuos das 46 milhões de doses de vacinas chinesas

Jair Bolsonaro já contraiu o novo coronavírus em julho deste ano. Esta quinta-feira morreu infetado com o novo coronavírus um senador brasileiro, Arolde de Oliveira, seguidor de Bolsonaro — defendia a cloroquina e era contra o isolamento.