Com apenas um voto a faltar para o Governo ter a maioria necessária para aprovar o Orçamento do Estado de 2021, a chave está encontrada. Joacine Katar Moreira disse ao Observador este domingo que “enquanto mulher de esquerda e deputada de esquerda não inviabilizo nenhum Orçamento de esquerda”.

A deputada não inscrita (que saiu do Livre, partido pelo qual foi eleita há um ano) garante que será factor de desbloqueio, mesmo que seja preciso um voto favorável para a proposta do Governo passar. Neste momento ainda não decidiu o que fazer, mas as duas únicas opções que coloca em cima da mesa são a abstenção ou o voto a favor. Estará mais inclinada pela abstenção na generalidade, mas se for necessário admite votar a favor.

Questionada pelo Observador irá deixar passar o OE com voto a favor, caso até a sua decisão estar tomada (entre segunda e terça-feira), o Governo não tivesse ainda conseguido aprovar o Orçamento — o que é possível se BE, PEV e a deputada não inscrita (ex-PAN) Cristina Rodrigues anunciarem voto contra entretanto –, Joacine Katar Moreira não deixou dúvidas: “Absolutamente”.

No primeiro Orçamento que votou, o de 2020, a deputada absteve-se na generalidade e depois também na votação final global. Aconteceu o mesmo no Orçamento Suplementar.

No momento da publicação deste artigo, as contas para aprovação do Orçamento estão assim: num total de 230 deputados estão garantidas 13 abstenções (10 deputados do PCP e 3 do PAN), o que leva a que seja precisa o voto a favor dos 108 deputados do PS e apenas de mais um. Basta que nas próximas horas o Bloco de Esquerda anuncie a abstenção para a proposta do Governo passar, mas mesmo que vote contra Joacine Katar-Moreira será sempre uma salvaguarda para salvar o documento caso tudo falhe ao Governo. Com a garantia da deputada Joacine Katar Moreira dada ao Observador, o Bloco avança assim para a reunião da Mesa Nacional do partido, esta noite, sabendo que o seu voto não é decisivo.