Um golo de Marcos Llorente a abrir a segunda parte, outro de Luis Suárez a fechar o jogo nos descontos, vitória do Atl. Madrid frente ao Betis no Wanda Metropolitano. Liga à parte, o triunfo era importante para espantar aquela que tinha sido a pior exibição da época – e que terminou com uma goleada do Bayern por 4-0 que até correu o risco de ser mais pesada. João Félix foi titular nesse encontro, tendo marcado um golo anulado logo no início da segunda parte que podia atenuar o rumo dos acontecimentos mas acabou também ele por naufragar no terramoto bávaro. Depois, começou no banco diante do conjunto de Sevilha. Agora, voltava à titularidade.

João Félix foi o menos mau entre a falência do Simeoneball: campeão europeu Bayern atropela Atl. Madrid na estreia

“O João é sempre o mesmo. Fez jogos muito bons desde que começou a temporada. No outro dia, em Munique, fez o jogo todo. Quando entrou contra o Betis deu velocidade e lucidez no ataque. Estou satisfeito com o trabalho dele. Precisamos que continue a melhorar, porque é muito jovem e tem por onde melhorar, mas na linha do que tem vindo a fazer. Com exceção do jogo contra o Celta de Vigo, onde não entrou tão bem mas acabou melhor, penso que está bem”, comentou Diego Simeone no lançamento do jogo, recordando esse encontro na Galiza que terminou com o português a fazer uma grande jogada antes de acertar de pé esquerdo na trave de fora da área para depois Carrasco sentenciar o jogo na recarga. Esta noite, a pontaria voltou a estar demasiado afinada.

Naquela que foi a segunda oportunidade flagrante do Atl. Madrid ainda no primeiro quarto de hora, e já depois de Herrera ter falhado isolado na área do Salzburgo, João Félix fez bem a deslocação entre a defesa contrária, o mexicano fez o passe e o português, num pontapé acrobático, acertou na trave. A ligação com Luis Suárez nem sempre foi a mais conseguida mas o avançado estava on fire, como mostrou em mais uma jogada onde sofreu falta já muito perto do limite da área. O golo parecia inevitável e surgiu mesmo antes da meia hora, com Marcos Llorente a receber de Correa e a rematar para o 1-0 (29′), mas o Salzburgo conseguiria empatar antes do intervalo com uma bomba na área de Dominik Szoboszlai que deixou Oblak pregado ao chão (40′).

Voltava tudo à fórmula inicial mas por pouco mais de um minuto no recomeço: com Trippier a não descer como devia no flanco direito, os austríacos exploraram o espaço numa transição rápida e Berisha só teve de encostar ao segundo poste (47′). O Atl. Madrid passava de vencedor e vencido num ápice mas a reação foi quase imediata e com João Félix no comando, começando e concluindo uma boa combinação com Correa na área (52′) e rematando muito perto da trave em mais uma boa jogada coletiva com Correa a dar em Luis Suárez, o uruguaio a amortecer para a entrada da área mas o remate a sair por cima. Com o Lokomotiv a perder antes na receção ao Bayern, a vitória frente ao Salzburgo era ainda mais relevante e, depois de um “adormecimento” geral da equipa espanhola, Simeone retirou Suárez, manteve Félix e foi o português a decidir numa insistência de Lemar que assistiu o avançado para o domínio, o remate sem hipóteses e o 3-2 final para o Atl. Madrid.