O Serviço Nacional de Saúde gastou, pelo menos, 54 milhões de euros em testes de rastreio à Covid-19 feitos em laboratórios privados, avança o jornal Público na edição desta quarta-feira. Até dia 4 de novembro, segundo dados do ministério da Saúde, tinham sido feitos mais de 1,5 milhões de testes em laboratórios privados, dos quais cerca de 40% terão sido pagos pelo erário público.

A conta é estimada pelos responsáveis das principais redes de laboratórios privados do país, que notam que uma fatia significativa desse pagamento foi feita por particulares, que pagaram à volta de 100 euros por cada teste, mas também por empresas ou instituições do setor social e seguradoras que também recorreram a estes laboratórios para testar os seus funcionários, assegurando dessa forma o pagamento das análises.

Segundo a Administração Central do Sistema de Saúde, entre o início do surto em Portugal e o mês de setembro, os laboratórios privados que têm convenção com o SNS tinham apresentado faturas no valor de 41,6 milhões de euros — o que corresponde a quase 475 mil testes realizados (a um custo estimado de 87,95 euros cada um). A partir de outubro, o custo de cada teste realizado no privado para o Estado passou a ser de 65 euros, tendo o Estado gasto mais cerca de 12,4 milhões de euros entre o mês de outubro e o início de novembro.

Feitas as contas, com base nestes números redondos de testes realizados e da percentagem que os laboratórios dizem ser paga pelo SNS, o Estado terá gasto cerca de 54 milhões de euros em testes no privado desde o início do surto, avança o Público.

Portugal já realizou mais de quatro milhões de testes realizados desde março, sendo que 45% foram realizados inteiramente no SNS, e outros tantos nos laboratórios privados.