O coordenador para o contraterrorismo dos Estados Unidos da América (EUA) disse esta quinta-feira em Maputo, que o seu governo está “seriamente interessado” numa parceria com Moçambique para travar os grupos armados em Cabo Delgado.

Os Estados Unidos estão seriamente interessados numa parceria com Moçambique, estreitando a nossa amizade enquanto juntos enfrentamos o desafio do terrorismo”, disse Nathan Sales, citado num comunicado da embaixada norte-americana em Maputo.

O responsável dos EUA falava após um encontro com o chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, na Presidência da República, no âmbito de uma visita de dois dias que realizou a Moçambique.

Segundo a nota, Nathan Sales, o mais alto funcionário do governo norte-americano a visitar Moçambique neste ano, frisou que a cooperação internacional é fundamental para “derrotar os terroristas que brutalizam e deslocam os civis em Cabo Delgado”, destacando também a importância do apoio humanitário na região.

A violência armada em Cabo Delgado dura há três anos e está a provocar uma crise humanitária com cerca de 2.000 mortes e cerca de 500 mil pessoas deslocadas, sem habitação, nem alimentos e concentrando-se sobretudo na área da capital provincial, Pemba.

Segundo dados da embaixada norte-americana em Maputo, de um total de 500 milhões de dólares (cerca de 412 milhões de euros) anuais previstos para apoiar o país africano, os EUA alocaram 42 milhões de dólares (35 milhões de euros) em projetos humanitários e de desenvolvimento em Cabo Delgado, além de estarem em curso outros programas de apoio na área de saúde na região.