Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Foi uma visita “surreal”. A expressão foi usada esta terça-feira pelo próprio candidato à Presidência da República Tiago Mayan Gonçalves, apoiado pela Iniciativa Liberal, depois de uma visita matinal ao Hospital Compaixão, em Miranda do Corvo (distrito de Coimbra).

A tal “surrealidade” da visita não se deveu a uma situação hospitalar caótica, semelhante à que se viu nos últimos dias em hospitais como o Santa Maria, em Lisboa, o hospital de Torres Vedras ou o Garcia da Orta, em Almada. Nesta unidade hospitalar de Miranda do Corvo, não se veem sinais de falta de camas, de incapacidade de resposta, de doentes com motivos para se queixar por falta de condições. Até porque no Hospital Compaixão, não há sequer sinais de doentes — com Covid-19 ou “não Covid” —, médicos, enfermeiros ou auxiliares de saúde.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.