Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Para o novo Classe S, a Mercedes tentou conceber o melhor veículo possível e, depois, produzi-lo nas suas instalações que denomina Factory 56, em Sindelfingen, que rotula como sendo o novo exemplo para a produção automóvel, ao serem as mais eficientes, flexíveis, digitalizadas e sustentáveis. Ainda assim, pouco meses depois de colocar o carro no mercado, descobriu que 1400 unidades do novo S, já entregues a clientes, têm instaladas peças defeituosas no sistema de direcção, que podem deixar o veículo sem controlo repentinamente.

De acordo com o Business Insider, foi o próprio fornecedor que alertou para o erro, informando a Mercedes que “os sistemas de direcção que entregou não estavam equipados com os tirantes da direcção próprios para um modelo deste tipo”, sendo esta igualmente a mensagem que o construtor enviou aos seus clientes.

4 fotos

O recall à oficina obriga a substituir a totalidade do sistema, por uma questão de segurança e rapidez. Uma vez na oficina, os mecânicos verificarão se, por erro, foram instalados uns tirantes mais curtos, sem o comprimento de rosca necessário para garantir o aperto de que precisam.

Esta chamada às oficinas é obviamente gratuita para os clientes, que só têm de lidar com os inconvenientes da deslocação. A Mercedes chama a atenção para o carácter urgente da mesma, aconselhando, segundo a publicação, a que seja realizada “imediatamente”, uma vez que não é difícil de imaginar o que acontece se um dos tirantes se soltar.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR