436kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

140 toques, 115 passes, cinco dribles, um golo, outra assistência: João Cancelo jogou a médio e foi o MVP na subida do City à liderança

Este artigo tem mais de 1 ano

Manchester City voltou à "versão atropelamento", goleou (de novo sem sofrer) o WBA por 5-0 e subiu à liderança da Premier League com mais uma exibição de sonho de João Cancelo até como médio.

João Cancelo assistiu Gündogan no primeiro golo, recebeu de Bernardo Silva para marcar o 2-0 e abriu caminho a mais uma goleada do City
i

João Cancelo assistiu Gündogan no primeiro golo, recebeu de Bernardo Silva para marcar o 2-0 e abriu caminho a mais uma goleada do City

POOL/AFP via Getty Images

João Cancelo assistiu Gündogan no primeiro golo, recebeu de Bernardo Silva para marcar o 2-0 e abriu caminho a mais uma goleada do City

POOL/AFP via Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Quando Philipp Lahm pendurou as botas em 2017, ninguém na estrutura do Bayern mostrou algo mais do que uma enorme dívida de gratidão pelo lateral e capitão. Gratidão, agradecimento, garantia de que o internacional ficaria como uma referência para todos os que se seguissem. Em relação à sua substituição na equipa base dos bávaros, essa estava garantida e com um nome a médio/longo prazo que, tal como Lahm, era lateral mas poderia fazer mais posições como Pep Guardiola gostava de experimentar quando liderou o campeão germânico. Hoje Kimmich é um novo Lahm, talvez até melhor. E fica até complicado de perceber se rende mais como lateral a fazer todo o corredor com Müller ou Gnabry a jogarem mais por dentro ou no meio-campo ao lado de Goretzka.

A introdução não tem propriamente muito a ver com o Manchester City mas existe um nome e uma ideia em comum: Pep Guardiola e a noção de que em alguns jogos a maior surpresa é jogar com os nomes do costume mas em posições diferentes. O espanhol já tinha experimentado essa fórmula algumas vezes, a começar pela receção ao Arsenal a meio de outubro, e foi assim que conseguiu estender a passadeira de mais uma goleada, desta vez diante do WBA (5-0). Grande figura? João Cancelo. Que em vez de lateral direito foi médio interior no apoio a Rodri e a uma defesa a três com Rúben Dias, Stones e Zinchenko, tornando-se o MVP do encontro. A forma física e o momento de confiança que atravessa fazem diferença mas o internacional português esteve mesmo em tudo o que de melhor os citizens fizeram. Marcou, assistiu, jogou, fez jogar e simplificou o que poderia não ser fácil.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

140 toques, 115 passes dos quais nove longos, cinco dribles, dois tackles, um golo, uma assistência, nenhuma posse de bola perdida. Cancelo conseguiu traduzir em números uma exibição personalizada e de enorme qualidade que empurrou o Manchester City para a 11.ª vitória consecutiva frente ao WBA, de novo sem sofrer golos, e que leva a equipa para o topo da Premier League, com mais um pontos do que o rival United.

Sobre o jogo, pouca ou nenhuma história. Aliás, desde cedo que se percebeu que a dúvida era perceber os números da vitória dos visitantes frente a um conjunto de Sam Allardyce com demasiadas deficiências defensivas e uma capacidade de transição ofensiva quase inexistente. Phil Foden, após assistência de Bernardo Silva, ainda acertou no poste logo no terceiro minuto mas, aos 5′, Gündogan inaugurou o marcador com um remate colocado à entrada da área após grande passe longo de João Cancelo. O internacional português estava mesmo de pé quente e, já depois de um remate por cima (12′), fez o 2-0 num lance contestado pela equipa do WBA: Bernardo Silva foi lançado na direita, a árbitra assistente levantou a bandeira quando percebeu que o esquerdino não ia para a baliza, o árbitro principal não apitou apesar de alguns jogadores da casa terem parado e Cancelo colocou a bola de pé esquerdo no ângulo superior da baliza de Johnstone, num golo que seria validado pelo VAR (20′).

[Clique nas imagens para ver os golos do WBA-Manchester City em vídeo]

O jogo estava fácil e mais fácil ficou até ao intervalo, com Gündogan – que fez esquecer a grande referência da equipa, Kevin de Bruyne – a aumentar para 3-0 no seguimento de um roubo de bola à entrada da área após passe de Cancelo que foi cortado mas não aliviado pela defesa do WABA (30′) e Mahrez a fechar os números da primeira parte no segundo minuto de descontos após trabalho individual com remate de pé esquerdo. No segundo tempo, e apesar das várias oportunidades, Sterling marcou o único golo que fechou a goleada em 5-0 (57′).

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.