Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Carlos Guimarães Pinto, ex-presidente do Iniciativa Liberal, será o diretor-executivo do Instituto +Liberdade, uma organização sem fins lucrativos, “independente e apartidária”, que quer promover os valores da democracia, da economia de mercado e da liberdade individual. A organização, que será lançada no próximo dia 12 de fevereiro, contará com a participação de outros nomes da política nacional, como Adolfo Mesquita Nunes, ex-vice-presidente do CDS, que será o presidente da Mesa da Assembleia Geral.

O administrador do Grupo Sonae, Carlos Moreira da Silva, estará à frente do Conselho de Curadores, que inclui a eurodeputada do PSD Lídia Pereira e a deputada do CDS, Ana Rita Bessa. Em comunicado, Guimarães Pinto explicou que “o Instituto +Liberdade reúne pessoas de diversas áreas da sociedade civil que têm em comum o respeito pela democracia, assim como a defesa da economia de mercado e da liberdade individual, dando espaço a todas as correntes de opinião que comunguem destes valores”.

“A luta pela defesa da democracia liberal nunca está ganha nem deve ser dada por garantida, e nos próximos tempos terá de ser promovida em várias frentes. As forças iliberais têm ocupado espaço à direita e à esquerda, muitas vezes alavancadas na desinformação e iliteracia, oferecendo soluções fáceis e rápidas, mas erradas, para problemas complexos. A educação e a promoção da literacia são, por isso, frentes essenciais na defesa dos pilares da democracia-liberal”, disse ainda.

Até à data de lançamento, 12 de fevereiro, estará a aceitar inscrições de membros através do seu site. De acordo com o Jornal de Negócios, no dia seguinte, será realizado o primeiro evento, uma discussão sobre a economia de mercado e as democracias liberais que irá decorrer online.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR