A Universidade do Minho (UMinho) lança esta quarta-feira o portal de pesquisa Caminho, que agrega mais de 1,4 milhões de exemplares das bibliotecas e arquivos associados à academia.

Em comunicado, a UMinho refere que o sítio “caminho.uminho.pt” permite aos cidadãos aceder a um vasto espólio, que inclui documentos milenares, edições do início da imprensa, obras do depósito legal e publicações sobre os últimos avanços científicos.

O projeto reforça o papel desta academia na ciência aberta e mostra a sua riqueza documental única no país, pois integra bibliotecas universitárias, públicas e unidades de arquivo”, acrescenta.

Segundo a UMinho, em Portugal, o Caminho “só tem similitude com alguns municípios ou instâncias culturais, mas cujo espólio e tipo de valências são de menor dimensão”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Na UMinho, é fascinante termos bibliotecas universitárias, repositórios e fundos documentais muito atuais e cada vez mais digitais, mas termos igualmente, por exemplo, um arquivo distrital com documentação milenar e uma biblioteca pública patrimonial com um fundo histórico notável, recebendo o depósito legal há 90 anos, que é também partilhado e disponibilizado pela Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva”, refere o diretor dos Serviços de Documentação e Bibliotecas (SDB) da UMinho, Eloy Rodrigues.

O novo serviço agiliza a busca simultânea nos diversos catálogos.

De momento há 1,4 milhões de registos, englobando os 393 mil da Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, 387 mil do Arquivo Distrital de Braga, 351 mil dos SDB, 167 mil da Biblioteca Pública de Braga, 68 mil do RepositóriUM (depósito digital de publicações científicas da UMinho) e 40 mil da Sociedade Martins Sarmento.

Para facilitar a pesquisa aos utilizadores, mais de 100 mil exemplares têm já uma imagem-miniatura da sua capa ou primeira página.

No caso do acervo dos SDB, estão incluídas as bibliotecas gerais da UMinho em Braga e Guimarães, além das bibliotecas das escolas de Arquitetura (chamada Biblioteca Nuno Portas), Direito e Medicina (ou Joaquim Pinto Machado) e das bibliotecas dos institutos de Educação e de Letras e Ciências Humanas (ou Vítor Aguiar e Silva).

O Caminho deve atingir a curto prazo os 1,5 milhões de registos, com a indexação de alguns grupos de documentos já existentes e a entrada contínua de publicações novas. Vai igualmente passar a integrar o catálogo de revistas e livros da UMinho Editora.

A iniciativa nasceu há cinco anos, para a modernização dos softwares de gestão de bibliotecas e a criação do catálogo coletivo, visando também uma maior cooperação e partilha de recursos entre as unidades documentais.