Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Sanna Marin, a política finlandesa que aos 34 anos se tornou na segunda mais jovem primeira-ministra no mundo (logo a seguir ao austríaco Sebastian Kurz), é considerada pela revista Time como uma das “próximas 100 pessoas mais influentes”, liderando a categoria dos Líderes, num ranking que a revista publica apenas pela segunda vez.

A social-democrata finlandesa, hoje com 35 anos, lidera há pouco mais de um ano uma coligação de centro-esquerda composta por cinco partidos, tendo conseguido que os casos de corona­vírus no país ficassem a “um quinto da média europeia”, destacou a primeira-ministra norueguesa, Erna Solberg, convidada pela Time a falar sobre Sanna Marin.

“Nova neste trabalho, Sanna não teve um grande período de lua de mel, mas adaptou-se rapidamente”, considera Solberg, que lembra as restrições impostas em março para conter a pandemia.

A vitória de Sanna Marin em 2019 “foi celebrada por se tornar primeira-ministra tão jovem”, mas “ela não é uma novata política”, afirma a primeira-ministra norueguesa. “Durante a pandemia, provou que uma boa liderança não depende da idade. Tempos de crise mostram-nos do que as pessoas são feitas”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Já entre os Ativistas, o destaque da Time é dado a Marcus Rashford, colega de Bruno Fernandes no Manchester United. Lewis Hamilton, que escreveu sobre o avançado britânico a pedido da Time, diz que, “em 2020, Marcus Rashford levou seus muitos talentos além do campo de futebol” para “responder a uma crise nacional: a fome de crianças”. A ação a que se refere o campeão da Fórmula 1 ajudaria a “pressionar o governo a fornecer refeições para alunos necessitados durante as férias de verão”.

“Isto não é sobre política, é sobre humanidade”. Rashford quer acabar com a fome das crianças em Inglaterra e escreveu ao Parlamento

“Ao defender os mais vulneráveis ​​da nossa sociedade e usando a sua plataforma e influência para gerar mudanças positivas, Marcus inspirou incontáveis ​​pessoas para que se juntem nesta missão e cimentou seu estatuto como um exemplo”, diz Hamilton. “Num ano que nos mostrou o poder de trabalharmos juntos em prol de um objetivo comum, ele foi uma força galvanizadora” no Reino Unido para “garantir que nenhuma criança passasse fome”. O piloto elogia a “determinação, resiliência e persistência” do internacional inglês, que considera “verdadeiramente inspiradoras”. “Mal posso esperar para ver como continuará ele este importante trabalho”, conclui Hamilton.

Nas restantes categorias, Maitreyi Ramakrishnan, atriz do Sri Lanka que se tem destacado na série de comédia americana Never Have I Ever, é considerada pela Time como o próximo Fenómeno. E a cantora Dua Lipa, vencedora de dois Grammys, entre outros prémios, é a grande escolha entre os Artistas. O estilista Telfar Clemens é considerado como o Inovador.

Para escreverem sobre cada um dos 100 nomes da lista, a Time convidou personalidades de renome. Além de Lewis Hamilton e da primeira-ministra norueguesa, colaboram nesta edição Anthony Fauci, Madeline Albrigh, Michelle Bachelet, Garry Kasparov, Jennifer Lopez, Kylie Minogue, Spike Lee, Idris Elba, Jamie Lee Curtis, Gwen Stefani, Greta Thunberg, entre vários outros.