Os EUA lançaram esta quinta-feira o primeiro ataque militar da presidência de Joe Biden, contra instalações controladas por forças iranianas, localizadas no leste da Síria. Em causa está uma resposta aos ataques com rockets lançados contra locais estratégicos norte-americanos no Iraque. Segundo um balanço feito esta sexta-feira por uma organização não governamental, 22 combatentes morreram. Reino Unido apoia investida norte-americana.

Sob a tutela do presidente [Joe] Biden, as forças militares americanas concretizaram no início da noite ataques aéreos contra a infraestrutura utilizada por grupos de milícias apoiados pelo Irão no leste da Síria”, revelou o porta-voz do Pentágono, John Kirby, em comunicado.

O ataque, explicou ainda, “foi autorizado como resposta aos recentes ataques contra o pessoal americano e a coligação no Iraque, e as contínuas ameaças a este pessoal”, referiu ainda.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Reino Unido veio esta sexta-feira apoiar a ação militar norte-americana: “Nós reconhecemos a ameaça representada pela milícia e partilhamos o objetivo norte-americano  de trabalhar em conjunto para diminuir a tensão da situação”, escreveu Dominic Raab, secretário de estado para as relações exteriores britânico.

A ofensiva acontece numa altura em que Washington e Teerão estão em negociações sobre o programa nuclear do Irão. Há dias o conselheiro de segurança de Biden, Jake Sullivan, salientou que o Presidente dos EUA está “determinado a impedir que o Irão consiga uma arma nuclear”, considerando ainda assim que “uma diplomacia firme e clara é a melhor maneira de o fazer”.

“E para isso está disposto a sentar-se à mesa para conversar com os iranianos sobre como podemos voltar a impor restrições estritas ao seu programa nuclear. Essa oferta continua de pé, porque acreditamos que a diplomacia é a melhor maneira de o fazer”, explicou Sullivan no programa “Face the Nation” da CBS News. Negociações que ficam ainda mais fragilizadas depois deste ataque.

Washington diz que quis enviar “mensagem clara” no ataque na Síria

Os Estados Unidos enviaram uma “mensagem clara” ao realizar ataques aéreos contra milícias pró-iranianas na Síria, disse esta sexta-feira a Casa Branca.

O Presidente Joe Biden “envia uma mensagem clara de que agirá para proteger os americanos. E, quando houver ameaças, ele tem o direito de agir quando e como quiser”, disse a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, em declarações aos jornalistas a bordo do avião presidencial, Air Force One.