435kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Daqui sairá uma scooter eléctrica a cada 2 segundos

Este artigo tem mais de 1 ano

Bhavish Aggarwal - o nome pode pouco ou nada dizer-lhe, mas é o homem por detrás da maior fábrica do mundo de scooters eléctricas: vai fazer 10 milhões de unidades/ano. Sai uma a cada dois segundos...

10 fotos

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

330 milhões de dólares: é esta a quantia em que orça aquela que será a maior fábrica de scooters eléctricas do mundo. O investimento implanta-se numa área de 202 hectares a sudeste de Bangalore, na Índia, estimando-se que daí saiam anualmente 10 milhões de unidades, o que significa que, a cada dois segundos, há uma nova scooter eléctrica pronta para ir para a estrada num país onde o mercado dos motociclos assume proporções colossais.

A Ola Electric, liderada pelo empresário de 35 anos Bhavish Aggarwal, quer uma fatia desse mercado e pretende entrar no universo das duas rodas a bateria pela porta grande, para depois abri-la ainda mais, alargando o negócio aos automóveis eléctricos, dentro de dois anos. Antes disso, a Ola Electric avança com as obras para não só erguer a maior fábrica de scooters eléctricas do mundo, mas também “a mais avançada e a mais sustentável”. Tudo isto em 12 semanas.

É com base nesses três pilares que Aggarwal tenciona tirar partido do efeito escala e, assim, reduzir os custos de forma a conseguir competir com os rivais a gasolina. Não será fácil pois, embora as duas rodas sejam um meio de transporte muito popular na Índia, a verdade é que os consumidores locais são mais sensíveis à questão do preço do que à qualidade do ar que respiram.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para chamar a si 15% das vendas mundiais de scooters eléctricas, Aggarwal joga em todos os tabuleiros, colocando em marcha um projecto que prevê ser auto-suficiente, pois a Ola Electric vai controlar todo o processo, do motor às células para os packs de acumuladores, passando pelo software (em que está a trabalhar uma equipa de 1000 pessoas, a maioria engenheiros) e por soluções de carregamento e estações para troca de baterias. E foi com este plano em mente que a companhia adquiriu, no ano passado, a Etergo BV, uma empresa holandesa já com experiência na concepção de scooters eléctricas.

A fábrica, que se encontra em construção como pode ver no vídeo abaixo, implanta-se numa área com 202 hectares, reservando às instalações fabris 174.000 m2 de superfície, dos quais mais de 8000 m2 constituem área verde no interior. A cobertura com painéis fotovoltaicos deverá cobrir 20% das necessidades energéticas, com a Ola a apostar de raiz num projecto industrial com uma pegada negativa em carbono, isto é, elimina mais CO2 do que aquele que emite para a atmosfera.

A sustentabilidade alia-se à produção em larga escala nesta fábrica carbono negativa

O exterior contempla mais 40 hectares de floresta à volta da fábrica. Esta vai dispor de 10 linhas de produção e de 3000 robots com inteligência artificial, para máxima precisão e optimização do fabrico. Ainda assim, está prevista a contratação de 10.000 funcionários para que, a partir de 2022, o complexo atinja as programadas 10 milhões de scooters/ano.

Para já, espera-se que a fábrica comece a laborar ainda este ano, com um arranque da produção na ordem dos 2 milhões de unidades. O colossal projecto inclui não só a capacidade de, em média, produzir uma scooter a cada dois segundos, como também fazer 25.000 motores eléctricos por dia, para o que a companhia integra no complexo industrial parques de fornecedores para assegurar que mais de 90% das peças fica “à mão”, poupando com o efeito proximidade tempo e dinheiro. A propósito, o financiamento da Ola tem origem no SoftBank e no Tiger Global Management, mas conta também com o capital do grupo Hyundai-Kia, que decidiu investir uma quantia não divulgada neste projecto.

“Concebida do zero, para que a Índia se possa sentar à mesa global dos veículos eléctricos”, nas palavras de Bhavish Aggarwal, a scooter indiana surgirá em cinco versões, do mais básico para garantir volume e satisfazer as massas, a modelos mais sofisticados. A base é a que pode ver neste vídeo:

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.