Um total de 46 pessoas que precisavam ser vacinadas contra a gripe, incluindo crianças e uma mulher grávida, foram inoculadas com vacinas contra a Covid-19 por engano no Brasil, anunciaram esta sexta-feira fontes oficiais.

O equívoco ocorreu na quarta-feira em Itirapina, município do interior do estado de São Paulo, onde funcionários da saúde confundiram os imunizantes após receberem medicamentos contra a Covid-19 num posto de vacinação contra a gripe, facto que já está sob investigação.

Pelo menos 28 crianças e 18 adultos, incluindo uma mulher grávida, foram vacinados indevidamente e agora serão acompanhados por uma equipa médica por 14 dias. De acordo com a prefeitura de Itirapina, especialistas consultados indicaram que o erro “não representa risco para a saúde dos envolvidos”, porém, todas as medidas para a segurança dessas pessoas já foram tomadas. Até ao momento não houve testes suficientes para determinar os efeitos das vacinas contra a Covid-19 em menores de 18 anos e mulheres grávidas.

A falta das 46 doses de vacinas contra Covid-19 foi identificada durante os controlos diários realizados pelas autoridades sanitárias do município. Após detetar o erro, a Secretaria de Saúde de Itirapina procurou pessoalmente as famílias dos 46 vacinados para relatar o erro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Brasil iniciou nesta segunda-feira a campanha anual de vacinação contra gripe, com a qual pretende coibir complicações relacionadas com gripe na população e ajudar a evitar a sobrecarga que o sistema de saúde vive atualmente devido à pandemia de Covid-19. Na primeira das três etapas, esta semana, começaram a ser imunizados menores dos seis meses aos seis anos de idade, gestantes, indígenas e profissionais de saúde.

O Brasil registou 365.44 mortes e mais de 13,7 milhões de casos confirmados de Covid-19 desde o início da pandemia. A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.987.891 mortos no mundo, resultantes de mais de 139 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.