Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Título: Da Meia-noite às Seis
Autora: Patrícia Reis
Editora: D. Quixote
Páginas: 192
Preço: 15,90€

O timing é o de um tempo de dentro a olhar para si. Se o mundo vive neste limbo entre o durante e o pós-covid, vive com os olhos no futuro. O novo romance de Patrícia Reis ficcionaliza para lá da marca temporal – se acerta ou não, não lhe compete. Será essa hipótese o condão da literatura.

Claro que, desde que palavras como “confinamento” e “pandemia” começaram a fazer parte do vocabulário quotidiano, começou também a cogitar-se sobre qual seria o efeito do novo status quo – na vida, na saúde, nas formas de relação, na arte. Creio que, em Portugal, esta é a segunda obra de ficção a surgir tendo explicitamente este contexto (Paulo Faria publicou Em Todas as Ruas te Encontro, pelas Edições Minotauro). O primeiro ponto será, por isso, o de referir não exatamente a pertinência do romance, mas a desfaçatez de ter sido escrito num cenário em aberto.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.