Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O preço da criptomoeda mais valiosa do mundo, a Bitcoin, desabou esta madrugada até aos 45 mil dólares, depois de o empresário Elon Musk anunciar que a maior empresa que lidera – a Tesla – vai, afinal, deixar de aceitar pagamentos com Bitcoin. Essa foi uma novidade que tinha sido anunciada em fevereiro, o que na altura deu um enorme impulso à cotação da Bitcoin, mas Elon Musk terá tomado esta decisão porque existem cada vez mais relatos acerca do dispêndio energético associado à chamada “mineração” de novas moedas e à manutenção da estrutura da criptomoeda – um dispêndio energético que, em muitas ocasiões, provém de fontes altamente poluentes como a queima de carvão.

“A Tesla suspendeu as compras de veículos através de Bitcoin. Estamos preocupados com o rápido aumento do uso de combustíveis fósseis para a mineração e [gestão de] transações, especialmente carvão, que é o combustível com mais emissões [poluentes] de todos”, escreveu Elon Musk, no Twitter. De imediato, o valor da Bitcoin, que nesta quarta-feira estava a ser negociada acima de 55 mil dólares, derrapou até perto dos 45 mil dólares (antes de, entretanto, recuperar parcialmente até pouco mais de 50 mil dólares nesta manhã de quinta-feira). Recorde-se, porém, que a Bitcoin só no início deste ano cruzou pela primeira vez os 30 mil dólares por moeda.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.