Em atualização

A adesão à greve dos trabalhadores da função pública na recolha de resíduos sólidos era às 07h00 desta quinta-feira de 80% a nível nacional, disse à agência Lusa fonte sindical.

“Desde as 23h00 de quarta-feira e até às 07h00 de hoje (quinta-feira) a adesão à greve no que diz respeito à recolha do lixo é de 80%. Ainda estamos a recolher mais dados, mas em alguns concelhos a paralisação terá sido total”, disse o coordenador da Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, Sebastião Santana.

Em declarações à Rádio Observador, o dirigente sindical adianta que “muitas escolas fecharam, um pouco por todo o país”, o que revela uma “clara resposta dos trabalhadores à ausência de negociações e a uma política de baixos salários que urge reverter”.

Greve da Função Pública. “Adesão é superior a 80%”

O Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e Regional, Empresas Públicas, Concessionárias e Afins (STAL) disse esta quinta-feira que a adesão à greve paralisou a recolha noturna do lixo em pelo menos nove concelhos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O STAL indicou em comunicado que “nos primeiros serviços de recolha noturna a entrar em funcionamento — Loures, Odivelas, Amadora, Moita, Évora, Seixal, Palmela, Almada e Setúbal — registou-se uma adesão de 100%, não tendo sido efetuada a recolha de lixo nestes concelhos”.

Já “Lisboa e Sintra, por seu lado, registaram uma adesão muito significativa, tendo a recolha sido fortemente afetada”, garantiu o sindicato na mesma nota.

Várias escolas fechadas em todo o país

Várias escolas em todo o país estão fechadas, esta quinta-feira de manhã, ou com perturbações na sequência da greve dos trabalhadores da função pública.

Em declarações à Lusa cerca das 09h00, o coordenador da Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, Sebastião Santana, adiantou que há várias escolas fechadas em Lisboa, no Porto, em Oeiras, no Cacém e em Vila Franca de Xira.

Há também perturbações em algumas escolas e na Universidade de Coimbra. Ainda estamos a recolher dados, mas tudo indica que a adesão à greve será elevada”, indicou.

Os funcionários públicos estão em luta esta quinta-feira, com uma greve e uma concentração, pela valorização dos salários e das carreiras.

Greve(s) na Função Pública. Onde é que podem ter impacto?

O Dia Nacional de Luta convocado pela Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, é o primeiro protesto no setor desde o início da pandemia da Covid-19.

Está prevista uma greve de 24 horas para a administração local e central, com exceção da saúde, e uma concentração nacional junto ao Palácio da Ajuda, em Lisboa, onde se reúne o Conselho de Ministros.

O dia nacional de luta realiza-se em defesa de aumentos salariais de 90 euros para todos os trabalhadores, da valorização das carreiras, da revisão da Tabela Remuneratória Única, pela revogação do SIADAP e em defesa de melhores serviços públicos.

O pré-aviso de greve não abrange o setor da saúde devido ao contexto pandémico.

A concentração junto ao Palácio da Ajuda, que não será precedida de desfile, deve juntar cerca de mil trabalhadores de todo o país, cumprindo as necessárias regras de distanciamento social, segundo a Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública.

Ouça aqui a reportagem Observador, na Escola Básica Eugénio dos Santos, em Alvalade.

Greve na Transtejo/Soflusa ronda 77% para a empresa e “quase 100%” para sindicato

A Transtejo/Soflusa registou esta quinta-feira uma adesão à greve, no período da manhã, de 77%, de acordo com informação da empresa, enquanto o sindicato revelou à Lusa que a adesão esteve perto dos 100%.

Os trabalhadores das duas empresas (com uma administração comum), que fazem as ligações fluviais entre a denominada Margem Sul (do Tejo) e Lisboa, apresentaram em 5 de maio um pré-aviso de greve de três e duas horas por turno, por a empresa manter a sua posição de “aumento de 0%” nas negociações salariais.

De acordo com a empresa, verificou-se uma adesão de 76% na Transtejo e de 79% na Soflusa e foram cumpridas as carreiras de serviços mínimos decretadas pelo Tribunal Arbitral do CES para as ligações fluviais do Barreiro e de Cacilhas.

Segundo a Transtejo/Soflusa, a carreira Barreiro-Terreiro do Paço, das 05h05, registou 392 passageiros, representando um acréscimo de 70% face a quarta-feira, enquanto a carreira Cacilhas-Cais do Sodré, das 05h20, registou 115 passageiros, apenas mais 5% do que no dia anterior.

Neste momento, e de acordo com a informação disponibilizada pela empresa às 11h45, o serviço de transporte público fluvial encontra-se retomado e normalizado em todas as ligações fluviais.

Segundo Paulo Lopes, sindicalista da FECTRANS – Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (afeta à CGTP), a greve “está a decorrer normalmente dentro do que estava estipulado”.

“Saíram os barcos dos serviços mínimos estipulados”, começou por explicar, adiantando que, em relação a números, “não se pode dizer que é de 100% a adesão, mas está perto”.

Segundo a informação disponibilizada pela empresa na véspera da paralisação, e por se tratar de uma greve parcial por turnos, estão previstas ainda as ligações do Barreiro para o Terreiro do Paço entre as 11h25 (primeiro barco) e as 17h35 (último barco) e, no período noturno, entre as 22h00 e a 01h30.

No sentido contrário, prevê-se a ligação entre o Terreiro do Paço e o Barreiro entre as 11h55 e as 18h00, e depois entre as 22h30 e as 02h00.

Entre Cacilhas e Cais do Sodré a transportadora prevê ligações no período entre as 09h20 e as 16h45 e depois entre as 20h14 e as 01h20, enquanto no sentido inverso estão previstos barcos entre as 09h32 e as 16h45 e entre as 20h10 e as 01h40.

Já entre o Montijo e o Cais do Sodré estão previstas as carreiras entre 09h30 e as 16h30 e, mais tarde, no período das 20h30 às 22h30, enquanto no sentido contrário, Cais do Sodré–Montijo, se preveem carreiras entre as 10h00 e as 16h30, e à noite entre as 20h10 e as 23h15.

Nas ligações entre o Seixal e o Cais do Sodré, os horários disponíveis são igualmente em dois períodos: entre as 09h15 e as 16h45 e depois entre as 20h30 e as 22h30, e no sentido inverso entre as 09h40 e 16h45 e entre as 20h15 e as 23h15.

Para as ligações Trafaria-Porto Brandão–Belém estão previstos os barcos entre as 09h40 e as 16h00 e entre as 20h30 e 21h30, e no sentido inverso entre as 10h00 e 16h30 e entre as 21h00 e as 22h00.