O número de deslocados registados após o ataque de 24 de março à vila de Palma, em Cabo Delgado, norte de Moçambique, ultrapassou na quinta-feira os 60.000, segundo dados da Organização Internacional das Migrações (OIM).

“No dia 27 de maio, um número estimado de 714 deslocados internos foram registados nos distritos recetores, elevando o número total para 60.527 pessoas que foram deslocadas de Palma“, lê-se no mais recente relatório daquela agência das Nações Unidas.

Só na última semana (de 19 a 27 de maio) o número de deslocados registados foi de 8.500, sendo que a população em fuga deverá ser maior, dado que parte dela pode não ser registada e haverá famílias escondidas nas matas da região. De acordo com o perfil traçado pela OIM, 43% dos deslocados são crianças e o número de menores separados das famílias ou em fuga sozinhos subiu para 758. Há ainda 1.958 idosos registados, segundo a OIM. A maioria (85%) dos deslocados registados está a ser albergada por famílias de acolhimentos.

Portugal anuncia missão de formação militar da UE em Moçambique

Há ainda milhares de pessoas (a estimativa era de, pelo menos, 11.000) junto aos portões do projeto de gás da Total em Afungi e na nova aldeia de Quitunda que não querem regressar a Palma devido à insegurança e que têm dificuldade em encontrar uma forma de chegar a locais seguros, segundo a agência.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Grupos armados aterrorizam Cabo Delgado desde 2017, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo jihadista Estado Islâmico, numa onda de violência que já provocou mais de 2.800 mortes segundo o projeto de registo de conflitos ACLED e 714.000 deslocados de acordo com o Governo moçambicano.

Ataques em Moçambique. ONU Mulheres lança campanha para angariação de fundos para mulheres e raparigas

Um ataque a Palma, junto ao projeto de gás em construção, a 24 de março provocou dezenas de mortos e feridos, sem balanço oficial anunciado.

As autoridades moçambicanas recuperaram o controlo da vila, mas o ataque levou a petrolífera Total a abandonar o recinto do empreendimento que tinha início de produção previsto para 2024 e no qual estão ancoradas muitas das expectativas de crescimento económico de Moçambique na próxima década.