Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

As críticas da líder parlamentar do PS ao ministro da Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, foram mal recebidas na cúpula do partido, com vários dirigentes a considerarem excessiva, precipitada e desadequada as recomendações de “recato e sensatez” da presidente da bancada socialista a um ministro em funções.

Ao Observador, foram vários os socialistas que se mostraram incomodados com o momento da líder parlamentar no programa a Circulatura do Quadrado. O comentário da socialista foi visto como “inusitado” e fruto de alguma precipitação — que não devia existir nesta fase.

É muito fora“, comenta outro alto dirigente. “Não percebo o objetivo“, lamenta outro. “Ela é mais analista” nestes comentários, critica outro dirigente socialista de topo que entende que Ana Catarina Mendes comenta mais o que se passou do que avança questões novas.

De resto, numa entrevista ao Observador, publicada na sexta-feira passada, a própria ministra da Presidência e coordenadora da moção estratégia de António Costa, Mariana Vieira da Silva, disse que não lhe parecia o mais útil discutir “estilos”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Não tenho nada a comentar, O que importa é que possamos fazer o nosso trabalho, cumprir os nosso objetivos, concretizar um intensíssimo plano nas infraestruturas e a habitação. Não me parece um caminho prendermo-nos à questão dos estilos. Isso não é o fundamental, mas sim as políticas e a nossa capacidade de as concretizar”, rematou Mariana Vieira da Silva.

Mariana Vieira da Silva. “Assumo totalmente erros de comunicação sobre a bolha” da Champions

Ainda não houve reunião da bancada socialista (que costuma juntar-se todas as semanas) desde essas declarações e a que estava marcada para esta quarta-feira foi desmarcada no domingo passado, por motivos de agenda.

Entretanto, foram vários socialistas que fizeram mesmo chegar ao ministro o desconforto com o que disse a líder parlamentar do partido no seu comentário televisivo, criticando a falta de solidariedade inerente àquelas palavras, segundo apurou o Observador. E foram também muitos os comentários feitos em grupos de Whatsapp dos socialistas a afirmarem que a líder parlamentar “esteve mal” no comentário que fez.

Uma tensão com história

A tensão entre os dois socialistas lançados por António Costa como geração seguinte no PS é vista como fruto de outra guerra paralela, precisamente a da sucessão do atual líder no PS — aconteça ela quando acontecer. Tanto Pedro Nuno Santos como Ana Catarina Santos têm vindo a posicionar-se para esse dia e não são propriamente próximos dentro do partido. Antes pelo contrário: pertencem a fações diferentes e críticas entre si.

Depois de a líder parlamentar ter comentado a sua conduta na guerra com a Ryanair, Pedro Nuno Santos veio  dizer que é “incapaz de criticar em público um camarada“. Nessas declarações, o ministro justificou ainda a sua posição frente à empresa de aviação com a necessidade de defesa da posição nacional.

Eu não gosto de deixar ofensas ao Estado português e ao Governo sem resposta. Nem todos compreendem que um Estado e um Governo também têm de se dar ao respeito. Mas isso é a forma como cada um de nós encara a vida política”, argumentou quando confrontado com as declarações da sua rival interna

Na bancada parlamentar houve uma única voz que se ouviu publicamente sobre o tema, a do deputado Ascenso Simões que enviou um e-mail aos restantes deputados a indignar-se contra as declarações da líder parlamentar que classificou de “truculento” o ataque do ministro Pedro Nuno à Ryanair, recomendando-lhe “maior recato ou sensatez. Bom senso nessas relações”.

Ascenso Simões critica Ana Catarina Mendes e questiona “dupla função” como líder parlamentar e comentadora