É o contra-ataque de Marcelo Rebelo de Sousa. “Por definição o Presidente nunca é desautorizado pelo primeiro-ministro. Quem nomeia o primeiro-ministro é o Presidente, não é o primeiro-ministro que nomeia o Presidente.” Foi assim que em Budapeste, onde o Presidente se encontra para assistir ao jogo de estreia da Seleção Nacional no Euro 2020, Marcelo reagiu às mais recentes declarações do primeiro-ministro, depois de ser instado pelos jornalistas a fazê-lo.

Esta segunda-feira, António Costa garantiu que Portugal está a avançar bem na vacinação, mas que ninguém, nem mesmo o Presidente da República, pode assegurar que não vai ser preciso voltar atrás nas restrições.

Costa responde a Marcelo: “Ninguém pode garantir que não se volta atrás no desconfinamento”

Era o início do pingue-pongue. No domingo, Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que, no que depender dele, não haverá “volta atrás” no processo de desconfinamento. “Já não voltamos para trás. Não é o problema de saber se pode ser, deve ser, ou não. Não vai haver. Comigo não vai haver. Naquilo que depender do Presidente da República não se volta atrás”, afirmou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

António Costa foi rápido a reagir e argumentou que crê que as palavras do Presidente da República são “subscritas por 100% dos portugueses”. Mas não se coibiu de deixar um recado nas entrelinhas. “Se alguém pode garantir [que não se volta atrás no desconfinamento]? Não, creio que nem o senhor Presidente da República seguramente o pode fazer, nem o fez”, sublinhou.

Marcelo. “Comigo não vai haver” volta atrás no desconfinamento

“Não há qualquer português que possa dizer que deseja que haja um volte face no desconfinamento. Creio que 100% dirão aquilo que o senhor Presidente da República disse, que é: ‘ninguém deseja que não haja desconfinamento’”, afirmou António Costa.