Obrigado por ser nosso assinante. Pode ler este e todos os artigos do Observador em qualquer dispositivo.

As grávidas vacinadas contra a Covid-19 passam um grande número de anticorpos para os filhos recém-nascidos, segundo um estudo do hospital universitário NYU Langone Health, nos Estados Unidos.

Todos os 36 bebés envolvidos no estudo tinham anticorpos das mães que haviam recibo vacinas de mRNA (da Pfizer/BioNTech ou da Moderna), segundo os resultados publicados na revista científica American Journal of Obstetrics & Gynecology – Maternal Fetal Medicine.

A medição dos anticorpos foi feita com uma recolha de sangue do cordão umbilical e analisou não só os anticorpos contra a proteína spike, mas também contra a proteína da nucleocapsíde (exclusiva para quem esteve infetado). Dos 31 bebés estudados para estes últimos anticorpos, nenhum os apresentava, logo os anticorpos transferidos resultavam da vacinação e não de uma infeção natural.

“Níveis altos de anticorpos que transmitidos através da placenta não é uma surpresa, é consistente com o que vemos com outras vacinas”, diz Jennifer Lighter, pediatra e coordenadora do estudo, em comunicado de imprensa.

Estes resultados dão mais um motivo para as grávidas se vacinarem, diz a médica: os recém-nascidos ficam protegidos, as grávidas (um dos grupos vulneráveis) também e a vacina é segura para ambos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR