Obrigado por ser nosso assinante. Não se esqueça de subscrever a nossa Newsletter exclusiva dos bastidores.

Uma mulher de 45 anos foi detida em Sevilha por suspeita de ter atacado a sua companheira de casa e de lhe ter arrancado e comido os dedos. A notícia avançada pelo Diario de Sevilla foi confirmada pela agência de notícias Efe junto de fontes policiais, que adiantaram que existem suspeitas de prática de bruxaria.

Segundo relata o Diario de Sevilla, o incidente aconteceu a 18 de setembro. Nesse dia, pelas 18h, as autoridades receberam uma chamada de uns moradores do bairro Polígono Norte, dando conta de uma forte discussão numa casa na rua Virgen de Escardiel. Ao chegarem ao local, os agentes depararam-se com uma mulher gravemente ferida e outra por cima dela.

A alegada atacante, uma mulher de 45 anos de nacionalidade queniana, teria cortado alguns dedos à companheira de casa. A vítima, de 48 anos e originária da República Democrática do Congo, tinha ferimentos na zona da barriga, que teriam sido provocados pela outra mulher quando esta teria tentado abrir-lhe o abdómen e extrair-lhe os intestinos durante um ato que a polícia acredita ter sido de bruxaria.

Fontes policiais contaram ao Diario de Sevilla que tudo terá começado com uma discussão iniciada quando uma das mulheres atirou uma garrafa com água com sal à outra. A agressora, que acreditava que a companheira estava possuída, terá tentado dominá-la, dando-lhe com uma pedra na cabeça e atirando-a ao chão. Depois de cortar alguns dos seus dedos, tê-los-á comido. De seguida, terá tentado fazer uma incisão na barriga, com o intuito de expulsar o demónio que estava dentro da mulher. O ataque foi testemunhado pela filha da suspeita, de seis anos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A rapidez com que a polícia respondeu permitiu salvar a vida da vítima, que foi transportada para um hospital em Sevilha. A alegada atacante foi também levada para uma instituição de saúde, onde deu entrada na ala psiquiátrica. É suspeita de homicídio na forma tentada.

De acordo com a Efe, o caso está a ser investigado pela Unidade de Família e Atenção à Mulher (UFAM) da polícia de Sevilha.