O ministro da Cultura espanhol, Miquel Iceta Llorens, esteve esta quinta-feira numa das salas de pintura europeia do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) em Lisboa, para a inauguração da exposição de uma “obra convidada”: a pintura “Infanta Isabel Clara Eugenia com Magdalena Ruiz”, de Alonso Sánchez Coello, que pertence à coleção do Museu do Prado, em Madrid. Está agora em Lisboa e pode ser vista no museu da Rua das Janelas Verdes até 2 de janeiro.

Trata-se de um óleo sobre tela, num admirável estado de conservação, pintado entre 1585 e 1588, que documenta a hierarquização social em Espanha naquela época. “Integra-se na tradição do retrato de corte criado em meados do século XVI”, lê-se na folha de sala. “Trata-se de um retrato para ilustrar não tanto as relações de afeto mas de subordinação hierárquica”, disse esta quinta-feira Andrés Úbeda de los Cobos, diretor-adjunto de conservação e investigação do Prado, também presente na inauguração. Fez notar que antes de “As Meninas” (1656), de Velázquez, este é o retrato em que melhor se vê “um jogo subtil de identidades”.

A exposição faz parte da 7ª Mostra Espanha, festival bienal de cultura espanhola organizado pelo Governo do país vizinho, este ano com atividades em 20 cidades portuguesas, de setembro a dezembro.

Um óleo sobre tela, num admirável estado de conservação, pintado entre 1585 e 1588, que documenta a hierarquização social em Espanha naquela época

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.