Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O pico da carreira de Fernando Llorente aconteceu em julho de 2010, em Joanesburgo. Nesse mês, no dia 11, Espanha venceu os Países Baixos com um golo de Iniesta no prolongamento e conquistou o Campeonato do Mundo. Llorente, na altura ainda no Athl. Bilbao, não chegou a sair do banco de suplentes para participar na final — mas a meia-hora que disputou contra Portugal, nos oitavos de final, foi suficiente para merecer a medalha.

Passaram mais de 10 anos desde esse dia. Esta quarta-feira, foi anunciado que o avançado espanhol aceitou um novo desafio: aos 36 anos, assinou pelo Eibar, clube que atua no segundo escalão depois de ter sido despromovido na época passada. “A Sociedad Deportiva Eibar chegou a um pré-acordo com Fernando Llorente para contratar o avançado até ao final da temporada, numa decisão ainda pendente de exames médicos. O jogador está a ser submetido a vários exames médicos. Mais informação será divulgada nas próximas horas”, divulgou o emblema basco, que está atualmente no segundo lugar e que tem como objetivo claro regressar à primeira divisão.

Ora, a decisão de Fernando Llorente torna-se ainda mais relevante se tivermos em conta que o internacional espanhol estava sem clube desde agosto. A jogar no Nápoles desde 2019, altura em que foi aposta pessoal de Carlo Ancelotti, o avançado perdeu espaço depois da saída do treinador e acabou por rumar à Udinese. Fez 10 jogos, marcou um golo e viu o clube rescindir unilateralmente no final da época, anulando o contrato de ano e meio que tinha assinado meses antes.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Llorente, que no Mundial 2010 tinha 25 anos e era considerado uma das grandes promessas do futebol espanhol, deixou o Athl. Bilbao onde se tinha formado, estreado e brilhado três anos depois da glória na África do Sul — vencendo, pelo meio, o Euro 2012. Passou pela Juventus, onde perdeu a final da Liga dos Campeões, pelo Sevilha, onde conquistou a Liga Europa, pelo Swansea e pelo Tottenham, voltando a perder mais uma final da Liga dos Campeões, e aterrou no Nápoles em 2019. Agora, dá o primeiro passo de uma nova vida que o pode levar de volta à liga espanhola.