806kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Lia Thomas fez história, foi deixada sozinha num pódio e só quer estar em Paris. Pelo meio, é a nova cara da luta dos atletas transexuais

Este artigo tem mais de 2 anos

A nadadora, que não pode ser federada, foi a primeira transexual a conquistar o ouro nos campeonatos universitários dos EUA. Lia Thomas terá de reduzir os níveis de testosterona para estar em Paris.

NCAA SWIMMING: MAR 17 Women's Swimming & Diving Championships
i

A atleta de 22 anos competiu durante três épocas na equipa masculina da Universidade da Pensilvânia

Icon Sportswire via Getty Images

A atleta de 22 anos competiu durante três épocas na equipa masculina da Universidade da Pensilvânia

Icon Sportswire via Getty Images

No início deste mês, há poucas semanas, Lia Thomas apareceu na capa da Sports Illustrated. “Só quero mostrar às crianças transgénero e aos jovens atletas transgénero que não estão sozinhos. Que não têm de escolher entre quem são e o desporto que adoram”, disse a nadadora pelo meio de uma entrevista que levava como título “Nadar Como Ela Própria”. O que Lia Thomas não sabia era que essa missão seria ainda mais difícil do que o expectável.

Na passada quinta-feira, a norte-americana de 22 anos fez história ao tornar-se a primeira mulher transexual a conquistar uma medalha de ouro nas provas da NCAA, a National Collegiate Athletic Association. Em Atlanta, Lia Thomas venceu nas 500 jardas livres, cerca de 457 metros, e embora não tenha conseguido bater o recorde universitário da campeã olímpica Katie Ledecky deu o mote para uma carreira que tem tudo para ser de enorme sucesso. Mas que, como se percebeu logo na cerimónia de entrega das medalhas, terá de ultrapassar muitos obstáculos até chegar a um patamar de acalmia.

A corrida mais longa da carreira de Caster Semenya acabou sem uma vitória: regras sobre níveis de testosterona são para ficar

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Lia Thomas ficou à frente de Emma Weyant, Erica Sullivan e Brooke Forde, que marcaram presença na última edição dos Jogos Olímpicos. No pódio, as três nadadoras juntaram-se no degrau do terceiro lugar e tiraram uma fotografia que não incluiu a vencedora — num episódio que foi visto como um protesto contra a participação de uma atleta transexual numa prova feminina. Algo que não soava estranho: poucas pessoas aplaudiram quando Lia Thomas foi anunciada como a mais rápida da prova e a nadadora foi mesmo alvo de insultos por parte de uma franja dos espectadores presentes em Atlanta. Contudo, na sequência da polémica, Erica Sullivan apressou-se a garantir que tudo não passou de um mal entendido.

“Ser sujeita a acusações falsas por parte da comunicação social de direita devido a esta fotografia com as minhas companheiras de Tóquio não acontece todos os dias. Sendo que este assunto ainda está a ser discutido, achei que seria mais fácil publicar a fotografia pretendida e ainda outra fotografia onde apareço a cumprimentar a Lia depois da fantástica prova dela”, escreveu a nadadora no Instagram.

Lia está atualmente no último ano na Universidade da Pensilvânia e competiu durante três épocas na equipa masculina de natação antes de passar pelo processo de mudança de sexo. De acordo com as regras da NCAA, ficou apta a competir em provas femininas depois de completar um período de um ano de tratamentos de supressão de testosterona — a regulamentação que tanta celeuma tem causado na World Athletics e no Comité Olímpico Internacional, com o caso da bicampeã olímpica Caster Semenya, que não é transexual mas tem níveis de testosterona superiores ao dito normal para uma mulher, a ser o mais conhecido. Contudo, para a USA Swimming, as atletas transexuais têm de ter no máximo 5 nmol (nanomoles) por litro de testosterona durante 36 meses (as mulheres cisgénero têm em média entre 0,21 e 3): ou seja, Lia Thomas não é federada, não pode ter recordes não universitários homologados e não pode integrar as delegações olímpicas.

Depois da vitória da nadadora em Atlanta e com a polémica instalada, o presidente da World Athletics comentou o caso e, de forma muito pouco surpreendente, mostrou-se reticente quanto à integração das atletas transexuais de forma livre. “Acho que a integridade do desporto feminino, assim como o futuro do desporto feminino, ficam muito frágeis se não acertarmos nisto. Para mim, não existe qualquer questão sobre o facto de a testosterona ser determinante na performance. O género não pode apagar a biologia. Como presidente da World Athletics, não me posso dar a esse luxo […] A ciência é importante”, disse Sebastian Coe ao Telegraph.

Na tal entrevista à Sports Illustrated, a norte-americana garantiu que pretende estar presente nas qualificações para os Jogos Olímpicos de Paris, em 2024 — ou seja, em teoria, pretende submeter-se aos tratamentos de supressão de testosterona para ser atleta olímpica. Até lá, tal como a CNN referiu nos últimos dias, Lia Thomas é a nova grande figura da luta dos atletas transexuais.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€ Apoiar

MELHOR PREÇO DO ANO

Ao doar poderá ter acesso a uma lista exclusiva de benefícios

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€

MELHOR PREÇO DO ANO