Cinquenta mulheres francesas, incluindo atrizes como Marion Cotillard, Juliette Binoche e Jane Birkin, filmaram-se a cortar o cabelo em solidariedade com Mahsa Amini, a iraniana de 22 anos que morreu sob custódia policial após ter sido detida por usar calças justas e por exibir uma madeixa de cabelo que não estava coberta pelo hijab.

O vídeo foi publicado esta quarta-feira nas redes sociais na página “Soutien Femmes Iran” e partiu de uma iniciativa de Julie Couturier, presidente da Ordem dos Advogados de Paris; Richard Sédillot, especialista em defesa dos direitos humanos; e Christiane Feral Schuhl, ex-presidente do Conselho Nacional de Advogados da França.

Nas imagens, várias celebridades francesas do sexo feminino surgem a cortar partes do cabelo. A primeira é Juliette Binoche, que pegou no cabelo com a mão esquerda e cortou uma grande madeixa com a tesoura que segurava na mão direita depois de dizer, em inglês: “Pela liberdade”. A ela juntam-se depois nomes como a atriz Charlotte Gainsbourg (acompanhada pela mãe, Jane Birkin), a cantora Angèle e a humorista Muriel Robin.

O texto que acompanha o vídeo, e que foi publicado sob a hashtag #HairForFreedom, foi escrito pela atriz Julie Gayet. Depois de contar a história da morte de Mahsa Amini e dos protestos do povo iraniano contra a polícia da moral — o balanço mais recente aponta para 154 mortes em confrontos entre manifestantes e as forças de segurança iranianas — , Julie Gayet explica a iniciativa por trás do vídeo: “É impossível não denunciar repetidas vezes esta terrível repressão“, começa por escrever a artista.

E prosseguiu: “Já existem dezenas de homens e mulheres mortos, incluindo crianças. Nas prisões, só aumenta o número de prisioneiros já detidos ilegalmente e muitas vezes torturados. Decidimos assim responder ao apelo que nos foi lançado cortando, também nós, algumas destas mexas”, pode ler-se na descrição do vídeo no Instagram.

No fim do vídeo, aparece uma ilustração da artista franco-iraniana Marjane Satrapi, cuja banda desenhada sobre a sua experiência de com as restrições impostas pelas autoridades islâmicas em 1979, “Persépolis”, foi adaptada para o cinema. O filme esteve nomeado para os Óscares e venceu um prémio no Festival de Cannes em que estreou, em 2007.

Porque é que as mulheres estão a cortar o cabelo em protesto?

Um dos motivos por que Mahsa Amini foi detida em Teerão pela polícia da moral foi pela forma incorreta, à luz das normas islâmicas, com que utilizava o hijab, exibindo algumas madeixas de cabelo. Mas essa não é a única razão por que outras mulheres em todo o mundo estão a cortar mechas de cabelo em solidariedade com o povo iraniano.

À CNN, a engenheira química iraniana Faezeh Afshan, que rapou o cabelo em protesto, explicou que o cabelo feminino é um símbolo de sedução no mundo islâmico — e é por isso que, à luz daquelas leis, ele deve estar escondido por um véu. Cortar o cabelo é, por isso, um símbolo de protesto contra tais padrões de beleza.

“Queremos mostrar-lhes que não nos importamos com os seus padrões, a sua definição de beleza ou como eles acham que deveríamos ser”, concretizou Faezeh Afshan. Além disso, na literatura islâmica, “cortar o cabelo é um símbolo de luto” e uma manifestação de “raiva”.

Isso mesmo foi apontado pela tradutora Shara Atashi no Twitter: “Mulheres a cortar o cabelo é uma antiga tradição persa, quando a fúria é mais forte que o poder do opressor”. Na obra “Épica dos Reis”, um marco da poesia persa escrito em 1.010, quando o príncipe Siyavash é morto, as mulheres da sua corte cortam o cabelo em protesto, acrescentou a especialista à CNN.

Fernanda Serrano junta-se ao movimento e corta o cabelo

A atriz portuguesa Fernanda Serrano também se juntou ao movimento de mulheres que estão a cortar partes do cabelo em homenagem a Mahsa Amini. Num vídeo publicado no Instagram, Fernanda Serrano defendeu “liberdade para todas” e manifestou “vergonha de comportamentos totalmente inaceitáveis”.

Juntamente com o vídeo, e com duas fotos que mostram como ficou o cabelo da atriz depois do corte em protesto, a atriz também publicou imagens dos cartazes que estão a ser utilizados nas manifestações no Irão, com fotografias da jovem iraniana de 22 anos.

Eurodeputada corta o cabelo no Parlamento

Ainda em França, num discurso em Estrasburgo na terça-feira, a eurodeputada Abir Al-Sahlani cortou o cabelo durante um discurso no Parlamento Europeu. O momento foi partilhado pela própria nas redes sociais. Enquanto cortava o cabelo, a deputada disse em curdo: “Mulher, vida, liberdade”.

Durante o discurso, Abir Al-Sahlani defendeu que “até que o Irão seja livre, a nossa fúria será maior do que a dos nossos opressores”: “Até que as mulheres do Irão sejam livres iremos apoiar-vos”, prometeu.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR