759kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Surfar contra a desigualdade

A Betclic juntou-se à SOMA, à Shutterstock Studios e à Coming Soon para combater o preconceito e aumentar a representatividade em São Tomé e Príncipe.

Os meninos não brincam com bonecas. As meninas detestam carros. As bailarinas são todas magras. Os cantores de ópera têm todos excesso de peso. Os surfistas são todos louros e maioritariamente rapazes naturais da Austrália ou dos Estados Unidos da América. Enviesamentos inconscientes, que reforçam modelos de preconceito e exclusão, muitas vezes desde idades muito jovens. E a verdade é que uma criança que cresça sem se sentir representada numa atividade, dificilmente vai acreditar ser possível realizar essa atividade.

Quando se fala de surf, as mulheres negras e o continente africano não aparecem na conversa. Mas por que é que as raparigas de São Tomé não poderiam surfar as ondas do seu país e encontrar aí um porto seguro de liberdade e igualdade?

Foi esta premissa que levou ao projeto “Surfing Through the Odds”, que dá finalmente protagonismo a uma organização sediada em São Tomé e Príncipe que desenvolve o seu trabalho em torno do surf enquanto ferramenta para o empoderamento feminino – a SOMA – Surfers Proud of the African Women – e que foi fundada por Francisca Sequeira em 2020. “A SOMA é um programa de terapia através do surf, dedicada a combater a desigualdade de género. É um programa para raparigas entre os 6 e os 18 anos. Todos os dias, a seguir à escola, estas raparigas vêm para a SOMA. Têm aulas de surf, apoio académico”, explica a fundadora da SOMA.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Contrariar as estatísticas

São Tomé e Príncipe é o segundo país mais pequeno do continente africano e estima-se que 67% da população viva abaixo do limiar da pobreza. Segundo a UNICEF, apenas 34% das raparigas chegam ao Ensino Secundário. No Índice de Desigualdade de Género da UNPD, São Tomé ocupa o 138º lugar, num total de 191 países; e a taxa de prevalência de gravidez na adolescência é uma das maiores de toda a África Subsaariana: 27%.

“Em São Tomé, as raparigas são educadas para não procurar ajuda e não partilhar as suas emoções. Por causa das normas sociais e tradições culturais do país, estas raparigas não pedem ajudam quando sofrem alguma espécie de abuso ou agressão. Na SOMA temos mesas redondas para discutir o papel da mulher na sociedade e para dar educação sexual. Ao darmos estas ferramentas, começamos a ver estas raparigas a ter ambições e a fazer planos de vida”, conta Francisca Sequeira. E o ponto de partida para tudo é o surf e a noção de que, como o surf não é inacessível para nenhuma destas raparigas, nenhuma outra coisa deve ser.

Dar voz a quem não a tinha

Quando a SOMA chegou ao conhecimento da Betclic e da sua agência, a Coming Soon, não restaram dúvidas de que o trabalho da organização era uma perfeita ilustração do mote da marca – Defy the Odds -, já que contrariava em tudo aquilo que era expectável daquelas jovens e da sua realidade. “O nosso objetivo foi ajudar a SOMA. Eles contribuem incrivelmente para a comunidade de São Tomé e quisemos dar-lhes as ferramentas para fazerem ainda melhor e poderem apoiar ainda mais raparigas, continuando a fazer frente ao que pareceria o destino certo e inalterável delas. Ao mesmo tempo, queremos trazer para a ribalta desportistas que normalmente não fazem as primeiras páginas dos jornais – sabemos que o futebol tem a atenção do mundo, mas temos de falar de outros desportos e temos de contribuir para a representatividade de várias modalidades e atletas. No caso do surf, é importante chamar a atenção para raparigas negras que surfam e gerar uma onda de mudança que possam levar outras marcas a apoiá-las”, conta Ricardo Malaquias, Marketing Project Manager na Betclic.

O que nem a Betclic nem a Coming Soon faziam ideia foi que não conseguiriam encontrar, em nenhum banco de imagens, fotografias ou vídeos que lhes permitissem realizar o trabalho a que se propunham e representassem aquilo que era a SOMA e o seu trabalho junto das raparigas de São Tomé. Pura e simplesmente não existia imagens de arquivo de raparigas africanas a surfar. Como se estas raparigas não existissem.

É nesta altura que o desafio é lançado à Shutterstock, que se predispõe a rumar a Santana, capital do distrito de Cantagalo, em São Tomé and Príncipe, para conhecer estas raparigas e produzir esses materiais inexistentes. Depois de semanas de trabalho, um total de 109 fotografias e 30 vídeos passaram a estar disponíveis para compra na plataforma Shutterstock, e o valor obtido pela venda de qualquer uma destas peças reverterá para a SOMA.

Além disto, o documentário “Surfing Through the Odds | The SOMA Surf Story” está já disponível no Youtube e poderá ser visto, em Novembro, no Surf at Lisbon Film Fest, seguindo depois para Londres, Estados Unidos da América e Austrália. Segundo Ricardo Malaquias, “o grande objetivo é ajudar esta comunidade e este país, de forma a que as jovens nascidas e criadas em São Tomé possam ter melhores condições de vida”. Que possam surfar as ondas dos seus sonhos. Sejam eles quais forem.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.