Os venezuelanos vão este domingo às urnas para participar num referendo consultivo proposto pelo Presidente Nicolás Maduro sobre o futuro de Essequibo, um território rico em minerais e em petróleo em disputa há mais de um século com a vizinha Guiana.

Com uma extensão de 160 mil quilómetros quadrados, a região, que aparece nos mapas venezuelanos como “zona em reclamação” e que está sob mediação da ONU desde 1966, compõe cerca de dois terços do território total atualmente controlado pela Guiana e é casa para cerca de 125,000 pessoas.

O Presidente Nicolás Maduro foi este domingo um dos primeiros a votar no referendo que questiona os venezuelanos sobre o seu apoio à criação do Estado de Guiana Essequiba, que na prática levaria à anexação de uma região que corresponde a 70% da Guiana, e à concessão da cidadania venezuelana e de bilhetes de identidade à população local. “Exerço o meu direito ao voto no histórico referendo consultivo pela defesa da nossa Guiana Essequiba“, partilhou durante a manhã numa publicação na rede social X (antigo Twitter).

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.