817kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

700 km. Peugeot E-3008 é a nova referência dos SUV eléctricos

A 3.ª geração do Peugeot 3008 surpreende ao tornar-se o recordista em autonomia dos eléctricos acessíveis. O novo SUV anuncia 700 km entre recargas e está ainda disponível em versões híbrida e PHEV.

15 fotos

Com chegada prevista ao nosso país para o mês de Maio, o novo Peugeot 3008 promete desde já agitar as águas do mercado dos veículos eléctricos. Isto apesar de propor igualmente versões com motores de combustão híbridos e híbridos plug-in (PHEV), mas se estas estão em linha com o que já conhecemos deste construtor, a verdadeira revolução acontece com as motorizações eléctricas, que são várias e a que está equipada com a bateria de maior capacidade anuncia 700 km de autonomia, a nova referência entre os veículos alimentados por acumulador e com preços acessíveis.

Concebido sobre a nova plataforma STLA Medium do Grupo Stellantis, o 3008 é um SUV com dimensões generosas para o segmento C (em que está inserido), com 4,54 m de comprimento (mais 10 cm do que a geração anterior), 1,89 m de largura (mais 5 cm) e 1,64 m de altura (mais 2 cm), exibindo ainda uma distância entre eixos de 2,74 m (mais 7 cm), o que abre portas para um habitáculo espaçoso, sobretudo para quem se senta atrás.

A estética do novo SUV é atraente e tem personalidade, com um pilar posterior muito inclinado, estilo fastback, anunciando um Cx de 0,28. Este é um bom valor para um veículo que, teoricamente, não parece ter grandes preocupações com a aerodinâmica, ao reivindicar 19,8 cm de distância ao solo e uma altura total de 1,64 m.

Habitáculo é trunfo

A Peugeot deposita grandes esperanças no interior do novo 3008, onde nesta geração é possível encontrar o Panoramic i-Cockpit com 21 polegadas, uma evolução da solução anterior, agora a ligar o ecrã digital que afixa o painel de instrumentos ao ecrã central, com ambos a parecerem sem interrupções aos olhos do condutor. O head-up display projecta no para-brisas as informações que de outra forma poderiam escapar a quem está ao volante, que assim não necessita de desviar os olhar da estrada.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

6 fotos

O tablier surge ligado à consola central entre os assentos anteriores, fortalecendo a sensação de “casulo” em torno dos ocupantes dos assentos dianteiros, uma solução que atrairá muitos condutores, mas que pode afastar outros, ou seja, aqueles que valorizam uma maior sensação de espaço interior. O espaço atrás é generoso, evoluindo face à geração anterior (a distância entre eixos com mais 7 cm ajuda), mantendo-se os 520 litros da bagageira, a que se somam 34 litros adicionais dentro do habitáculo.

Versão mais barata é híbrida. PHEV chega mais tarde

As primeiras versões a chegar ao mercado nacional incluem a versão eléctrica mais acessível, de que falamos mais à frente, bem como o 3008 com mecânica híbrida a gasolina, associando o 1.2 de três cilindros sobrealimentado por um turbocompressor e que desenvolve 136 cv, a uma unidade eléctrica de 28 cv inserida dentro da caixa automática de seis velocidades (e-DCS6). Por sua vez, esta é alimentada por uma pequena bateria com 0,89 kWh de capacidade (0,43 úteis), que reduz o consumo e as emissões em cidade. Este 3008 chegará em Maio e por valores que arrancam nos 34.650€.

Mais tarde, algures durante o 4.º trimestre de 2024, será a vez do 3008 PHEV chegar a Portugal, ele que recorre a uma bateria maior do que a que equipa agora os híbridos plug-in da Peugeot (cerca do dobro), uma vez que o objectivo é propor uma autonomia em modo eléctrico de aproximadamente 100 km. A marca não especificou ainda a mecânica que vai utilizar, nem os preços que vai praticar no momento da comercialização.

5 fotos

Duas e quatro rodas motrizes, com bateria grande e muito grande

Independentemente dos restantes trunfos do 3008, o principal elemento diferenciador do novo C-SUV da Peugeot recai nas suas versões eléctricas. O E-3008 disponibiliza duas capacidades distintas de bateria, ambas bem acima da média. As versões mais acessíveis montam a bateria mais pequena, com 73 kWh de capacidade útil, que está praticamente ao nível da maior bateria dos Tesla Model Y (que propõem 60 e 75 kWh), modelo com 4,75 m de comprimento e 2,89 m de distância entre eixos, que o colocam no segmento acima, o D.

Este acumulador de 73 kWh pode estar associado a dois tipos de mecânicas eléctricas, uma com apenas um motor à frente de 213 cv (157 kW) e 343 Nm de força, que impulsiona o SUV até aos 170 km/h, limitados electronicamente para poupar a autonomia, o que não o impede de atingir os 100 km/h em 8,8 segundos. Com a bateria a recarregar a 160 kW em corrente contínua (DC) e 22 kW em corrente alternada (AC), esta versão do E-3008 anuncia uma autonomia de 525 km e iniciará as entregas aos clientes nacionais em Maio de 2024, nas versões Allure e GT.

26 fotos

Em 2025 será a vez do E-3008 mais potente chegar a Portugal. Referimo-nos à versão com dois motores e tracção 4×4 (AWD), que à frente monta um motor com 213 cv e atrás outro de 113 cv, totalizando 326 cv e assumindo-se como o mais potente da gama. Esta versão do SUV está associada ao já mencionado acumulador de 73 kWh úteis, revelando-se um pouco mais veloz, com o limitador electrónico a permitir-lhe atingir 180 km/h, enquanto a potência mais elevada lhe garante 0-100 km/h em apenas 6,4 segundos. Curiosamente, esta versão AWD anuncia a mesma autonomia do E-3008 equipado com a mesma bateria e tracção apenas às rodas da frente.

Mas é provável que o e-3008 mais interessante seja a versão equipada com apenas um motor eléctrico e a bateria grande, com uma capacidade de 98 kWh úteis, sensivelmente o mesmo dos Model S e X da Tesla (100 kWh). A potência do motor desta versão sobe de 213 para 231 cv (170 kW), para compensar o peso adicional do acumulador, pelo que anuncia 170 km/h de velocidade máxima e 0-100 km/h em 8,9 segundos. É a maior quantidade de energia que transporta a bordo que lhe permite anunciar a capacidade de percorrer 700 km entre visitas ao posto de carga, um verdadeiro recorde no segmento e não só. É o ultrapassar de uma barreira mágica que abre novas perspectivas aos clientes que desejam evitar a ansiedade da autonomia permitindo, por exemplo, encarar uma viagem do Porto até Faro, ou de Lisboa ao Porto (ida e volta) sem ter de recarregar, se o ritmo foi contido.

Um responsável da Peugeot confidenciou-nos ainda que a bateria de 73 kWh recorre de momento a células com química NMC 622 (60% de níquel, 20% de manganês e 20% de cobalto), adquiridas à BYD, solução que se deverá manter até a fábrica de acumuladores da Stellantis arrancar em França. Esta produzirá NMC 811, com maior densidade energética, o que explica só em 2025 o surgimento da bateria com 98 kWh.

Começa a chegar a Portugal em Maio. Os melhores em 2025

A Peugeot anunciou já os preços para as primeiras versões a chegar a Portugal, em Maio, cujas encomendas já abriram. O 3008 Hybrid com 136 cv é proposto por valores de lançamento de 34.650€ no nível de equipamento Allure e 39.150€ para o GT (os valores PVP são de, respectivamente, 37.150€ e 41.650€, com os clientes empresariais terem de despender apenas  33.509€ e 37.559€).

O e-3008 eléctrico com 213 cv e bateria de 73 kWh tem um PVP de 47.150€ (Allure) e 52.150€ (GT), para o preço de lançamento se ficar pelos 46.150€ e 51.150€. Aos clientes empresariais será cobrado 44.321€ e 49.021€, respectivamente. Veja aqui gama e equipamento detalhados.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos