Dark Mode 195kWh poupados com o Asset 1
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

35 anos depois, como Herman José recorda "O Tal Canal" /premium

A 22 de outubro de 1983, aterrava na televisão portuguesa uma espécie de OVNI do entretenimento. Herman José lembra como foi criar um programa que ainda hoje é uma referência do humor.

Consideremos o panorama português do ano do Senhor de 1983. Calafrios económicos e financeiros em catadupa, intervenções externas, governo do Bloco Central no ativo e médicos no desemprego. E uma estação única de televisão, dividida entre o cinzentismo da informação, as maravilhas da tauromaquia, a eucaristia dominical e o humor revisteiro de um “Sabadabadu”. O país havia trauteado até há pouco:

“Ai, Agostinho
Ai, Agostinha
Que rico vinho

Dá-me uma pinguinha
Este país
perdeu o tino”

E o guionismo rapa-o-tacho da nacional-lamúria aparentava estar esticado até ao limite. As primeiras páginas dos jornais em nada ajudavam ao refrescamento mental e social. Melo Antunes falava sobre os cubanos em Angola, o primeiro-ministro Soares reunia longas horas com o Eanes e ameaçava Mota Pinto com puxões de orelhas (muitos anos mais tarde, o filho perderia o cargo por ameaçar “salutares bofetadas”) e os vidreiros da Marinha Grande partiam para a greve. É certo que os periódicos davam justo destaque à vinda de Ney Matogrosso ao Coliseu dos Recreios, talento e exuberância em roda livre numa época em que o Brasil vivia tempos de chumbo. Mas boa parte da paisagem mediática bebia da paleta de cores do metal pesado.

Eis senão quando, a 22 de outubro do dito ano, aterra nos televisores, na sua grande maioria a preto e branco, uma espécie de OVNI do entretenimento, em registo meta-ficcional. Criado por Herman José, o novo produto pensado para as noites de sábado era auto-referencial – tratava-se afinal de um canal de televisão dirigido por um tecnocrata – que chegava para baralhar espectadores e disseminar o absurdo. Fazendo uso de inspiração direta em personagens da vida real, como no caso da chef aos comandos de “Cozinho Para o Povo”, ou jogando com arquétipos de um país que precisava de ser sacudido por umas boas gargalhadas e umas miradas ao espelho, a trupe de Herman e companhia acabou por marcar a história da televisão e dos media nacionais.

[O genérico de “O Tal Canal”:]

Quando “O Tal Canal” estreou, eu tinha oito anos, e muito do que por ali passava causava-me estranheza. A mim, à minha irmã, sete anos mais velha, e aos meus pais. Acontece que os serões eram mais ou menos standardizados (passavam quase sempre por um sofá forrado a bombazine e a abarrotar de gente, plantado estrategicamente em frente ao aparelho) e consumia-se o que estava à mão e aos olhos de semear.

Recordo o sucesso do Nelito, o preferido da minha mãe, e o misto de empatia, hilariedade e estupor que nos inspirava o destino da senhora dona Palmira. Eu tinha um amor insano pelo “Esférico Rolando Sobre a Erva” (bibó Porto) e amava com sinceridade os espaços para publicidade a produtos como o tira-nódoas Benson, e o bem-estar acontece. Do impossibilidade do amor entre Marilu e John Smith, amor sabotado pela condição social e pela luta de classes, só me daria conta mais tarde, até porque prestava mais atenção à condessa que evitava ficar tensa.

Mas uma coisa era certa: tudo aquilo era novo, inesperado, a espaços incompreensível. E todos os sábados regressávamos, à espera de sermos rasteirados por um homem e sua galeria de personagens que bebiam claramente do melhor que se fazia lá fora. Louvado seja São Herman, que trouxe a irrisão cá para dentro, para não mais sair.

[Menino Nelito:]

De onde é surgiu a ideia para “O Tal Canal”?
O meio “televisão” sempre me fascinou. Em principio dos anos oitenta, o mundo gravitava à volta de meia dúzia de programas, estilos e figuras, logo material ideal para um programa de humor.

O que é que estava a fazer nessa altura, antes de começar “O Tal Canal”?
Tinha tido a felicidade de ter tido um megassucesso com a minha personagem “Tony Silva” no programa Passeio dos Alegres do Júlio Isidro. Graças a ele, tinha conquistado uma confortável “pole-position” na constelação de vedetas que faziam parte dos muitos espetáculos que se realizavam por todo o país. Interromper a dinâmica por três meses para fazer o programa foi uma decisão corajosa e que me saiu caríssima, já que a televisão nessa altura pagava pessimamente. Ou, para que melhor se perceba, num mês de trabalho, ganhava o equivalente a um espetáculo. Foi também por isso que não estive em condições de aceitar o convite para fazer mais uma série de doze programas. Era um trabalho muito solitário e exaustivo.

Qual foi a reação da RTP? Aceitaram de imediato? Como era a negociação de um programa nessa altura?
O primeiro guião foi muito mal recebido pela fação mais conservadora da então direção de programas, que chegou a retificar no primeiro guião a vermelho tudo aquilo que era “desaconselhável” que fosse para o ar. A pretensão esbarrou no então responsável governativo pelo pelouro, o saudoso José Niza, defensor obsessivo de todas as liberdades e grande responsável para que o programa fosse para a ar, livre de qualquer mutilação censória.

A eterna questão do ovo ou da galinha: o que apareceu primeiro, o canal de televisão ou o personagem do Oliveira Casca? E esse, quem é? Algum carola da RTP à época?
A figura do “presidente todo poderoso”, não era mais do que uma crítica às pulsões autoritárias de quem assumia a presidência do monopólio da televisão em Portugal. A abertura do negócio audiovisual a privados era na altura ainda uma miragem.

Quem escrevia os textos? Era só o Herman? Como é que tal era fisicamente possível?
Tive a ajuda do António Avelar de Pinho na escrita da novela “O Diário de Marilu” e do Tozé Brito e do António Tavares-Telles na escrita do “José Estebes”. Tudo o resto era trabalho doentiamente solitário. Passado todos estes anos, até eu fico admirado com tanto voluntarismo.

Como reuniu aquele elenco? Fez um casting? Foi o Herman que escolheu?
A Helena Isabel era uma paixão da juventude. Foi escolhida com o coração. A Natália de Sousa era uma compincha do teatro de revista e uma mulher escultural. O Vitor de Sousa e o Manuel Cavaco, escolhidos depois de os ver atuar no Maria Matos na “Morte de um Caixeiro Viajante”. A Margarida Carpinteiro e a Lídia Franco foram herdadas do nosso tempo de júri no Passeio dos Alegres. Gentileza Júlio Isidro.

Como era um dia de trabalho para “O Tal Canal”, entre escrita, representação, direção de atores e esquemas para arranjar um bom catering?
Não havia noite nem dia. As horas de escrita e de estúdio fundiam-se numa espécie de loucura anárquica, também alimentar. Basta dizer que terminei as gravações dez quilos mais “inchado”, tantos eram as sandes, as empadas e os folhados.

Qual é a percentagem de admiração pelo trabalho dos the Monty Python que aparece refletida no programa?
Eu diria 70% Monty Python, 20% Benny Hill, 10% delírios próprios.

"De todas as personagens do Tal Canal, guardo um carinho especial pelo meu “Carlos Filinto Botelho”. O caricaturado Carlos Pinto Coelho, era um homem que eu estimava e admirava. Foi muito comovente para mim, que ele percebesse desde o primeiro minuto que a minha caricatura era uma homenagem."

É consensual, quase um chavão: “O Tal Canal” foi uma pedrada no charco num país de televisão única e cinzenta. Mas exatamente porquê?
Foi sobretudo um grito de liberdade não panfletária. Foi também a chegada ao poder de uma geração que tinha 19 anos no 25 de Abril de 74. O embrião do processo revolucionário-humorístico tinha começado em 1980 com os meus textos do “Tony Silva”, mais uma vez a contracorrente, sancionado e protegido por um grande democrata que nunca me cansarei de elogiar: Daniel Proença de Carvalho, então presidente da RTP.

Acredita na inspiração ou, como o Picasso, acha que ela dava muito trabalho?
Há na criação artística um mistério que não se consegue definir. O mesmo que nos leva a sentir tocados pela voz da Amália, pela narrativa do Professor José Hermano Saraiva, pela química criativa da dupla Carlos Tê / Rui Veloso, pela poesia do Pessoa, pelos traços da Paula Rego. Servirão de espoleta responsável por 10% da obra. Tudo o resto é obsessão, convicção, teimosia, resiliência e trabalho.

Porque é que o “Diário de Marilu” continua a ser mais credível do que boa parte das telenovelas produzidas no século XXI?
Porque denuncia a inverosimilhança dos argumentos da maioria das novelas, onde vale tudo para conseguir prender o espetador ao ecrã. À sua maneira, as novelas acabam também elas por ser caricaturas delas próprias. Têm a respeitável vantagem de serem muito empregadoras.

[“Diário de Marilu”:]

https://www.youtube.com/watch?v=VF-8vSY8PDg

O menino Nelito devia ser obrigado a dar beijos à avó e ao avô ou isso ia perturbar-lhe o crescimento?
No caso do Nélito, qualquer avó deverá ter as pernas em boas condições para conseguir fugir bem longe da perigosíssima criança.

Alguma personagem que lhe seja mais querida? Porquê?
De todas as personagens do Tal Canal, guardo um carinho especial pelo meu “Carlos Filinto Botelho”. O caricaturado Carlos Pinto Coelho, era um homem que eu estimava e admirava. Foi muito comovente para mim, que ele percebesse desde o primeiro minuto que a minha caricatura era uma homenagem e não uma forma de menorizar o seu estilo tão pouco ortodoxo.

E um sketch de que se orgulhe especialmente?
A rubrica de agricultura em pleno mar da Caparica ao lado do Manuel Cavaco. Tão primário, tão espontâneo, tão infantil e no entanto tão original e irrepetível.

"Tenho muito orgulho na sobrevida dos meus trabalhos. Ainda agora tenho estado a reviver o concurso de minha autoria “Com A Verdade M’Enganas” na RTP Memória com total fascínio pela modernidade do produto. Aposta ganha de uma grande figura a quem devo a corajosa encomenda: José Eduardo Moniz."

Existe algum produto televisivo em canal aberto que arrisque tanto como “O Tal Canal” arriscava?
Porventura sim, mas passaria comprimido e ignorado entre duas implacáveis novelas de grande audiência. Os tempos mudaram muito: a programação dos canais generalistas passou de loja gourmet a hipermercado atafulhado de produtos em promoção. A RTP ainda nos vai permitindo navegar em águas mais alternativas e por isso lhe estarei eternamente grato. Fazer o “Cá Por Casa” às quartas-feiras é um imenso privilégio.

Porque é que “O Tal Canal” durou tão poucos meses?
Tinha uma estrutura profissional dos espetáculos ao vivo para alimentar que não aceitava o pagamento dos ordenados em “cheques-prestígio”. (risos)

Hoje seria possível fazer aquele programa?
Claro que sim. Mas como evocação pontual. Lembro que a “Marilu” e a “Menina Cilinha” já passaram há muito a barreira dos sessenta!

[Carlos Filinto Botelho:]

O Tal Canal envelheceu bem?
Espantosamente bem. Modéstia à parte. Basta comparar o timing, o conteúdo, a linguagem com produtos do mesmo ano de produção. Tenho muito orgulho na sobrevida dos meus trabalhos. Ainda agora tenho estado a reviver o concurso de minha autoria “Com A Verdade M’Enganas” na RTP Memória com total fascínio pela modernidade do produto. Aposta ganha de uma grande figura a quem devo a corajosa encomenda: José Eduardo Moniz.

Foi o melhor trabalho que fez? Muitas vezes ouve-se isto: “Nunca mais houve nada como Tal Canal”. Concorda?
Acho que – salvas as diferenças – o Herman Enciclopédia merece ocupar um primeiro lugar ex-aequo nesse pódio. Também ele marcou uma geração.

Já agora: de onde vem a canção? É mesmo o primeiro rap português?
Se não for o primeiro andará lá perto. O som foi desarrancado a meu pedido pelo Ramon Galarza (o chefe de orquestra do Tony Silva) e a letra do meu amigo António Avelar de Pinho.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.