Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os primeiros modelos começaram a aparecer na capital durante a década de 30 e ocuparam a calçada portuguesa em espaços tão emblemáticos como o Café Lisboa, na Avenida da Liberdade, e o Café Nicola, no Rossio. Deve ser raro o português, ou mesmo o estrangeiro de visita, que nunca se sentou nelas. A cadeira portuguesa é um clássico do design, um objeto que se integrou tão bem no quotidiano que quase não damos por ela. É uma cadeira confortável, sólida, resistente e funcional, simples mas sofisticada. É a cadeira mais característica das esplanadas portuguesas.

Do alumínio à madeira, nos últimos anos têm coexistido vários redesigns da cadeira portuguesa, também conhecida como cadeira Gonçalo. Influenciada pela escola alemã Bauhaus, foi na fábrica Adico, em Avanca, que os primeiros modelos das cadeiras começaram a ser produzidas nos anos 30, a mesma altura em que os móveis tubulares aparecem em Portugal, em cafés e hospitais. Exemplo disso são as fotografias do catálogo da Adico desta época.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.