760kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

i

RODRIGO MENDES/OBSERVADOR

RODRIGO MENDES/OBSERVADOR

Quem ganhou os debates deste domingo, que terminaram com Mariana Mortágua e Paulo Raimundo a falar para Pedro Nuno

Mortágua marcou as divergências do Bloco para o PCP e Raimundo só falou da maioria de esquerda. Sousa Real acusou a AD de ser contra as mulheres e os animais, Montenegro colou o PAN ao PS.

No último debate da noite frente a Paulo Raimundo, Mariana Mortágua tentou demarcar-se primeiro do apelo de Pedro Nuno Santos do voto útil no PS, que considerou “esfarrapado, espantoso e incompreensível”, e só depois marcar diferenças em relação ao PCP, com quem disputa o eleitorado, assinalando divergências em relação à eutanásia, à Rússia e à “cleptocracia” de Angola. O secretário-geral dos comunistas afirmou que “o voto útil é na CDU”, e que “a única condição de obrigar o PS a tomar soluções positivas para o país é constituir uma maioria de esquerda”.

Antes, Inês Sousa Real tinha começado o debate com Luís Montenegro a dizer que a AD tinha parceiros que eram contra as mulheres e a favor da violência doméstica, numa alusão a Gonçalo da Câmara Pereira do PPM. O líder da Aliança Democrática viu-se obrigado não só a condenar essas declarações, como a afirmar que não dará tréguas ao combate à violência doméstica e a garantir que tem no programa várias medidas em defesa da igualdade. Depois foi Montenegro quem usou a aliança do PAN com o PS contra a porta-voz do Pessoas-Animais-Natureza, dizendo-lhe mesmo que “aparece aqui com uma ladainha contra a AD que não corresponde à verdade, talvez por que o secretário-geral do PS fez uma apelo voto ao útil”.

Esta segunda-feira há um único frente-a-frente, que promete. É às 21h00, na RTP, e opõe Luís Montenegro a André Ventura, com o tema do apoio ao governo minoritário da AD nos Açores, e também o “não é não” para o continente, sobre a mesa. Pode ver o calendário completo de todos os debates neste gráfico.

Quem ganhou cada um dos debates? Ao longo destes dias, um painel de avaliadores do Observador vai dar nota de 1 a 10 a cada um dos candidatos por cada um dos frente-a-frente. E explicar porquê. A soma vai surgindo a cada dia, no gráfico inicial.

Mariana Mortágua (Bloco)-Paulo Raimundo (PCP)

Ana Sanlez — Chamar debate ao que aconteceu entre as 22h00 e as 22h30 na SIC Notícias é capaz de ser exagerado. Os dois parceiros da geringonça tiveram uma conversa pacata, por vezes aborrecida, na qual o adversário principal (também por opção da moderação) nem estava na sala, e foi o PS. Mariana Mortágua precisa de um adversário mais estimulante para estar no seu melhor nestes formatos. E estimulante não é adjetivo que encaixe em Paulo Raimundo. A líder do Bloco de Esquerda esteve, ainda assim, melhor no frente a frente, ao sublinhar as diferenças entre os dois partidos, como a posição sobre a eutanásia e sobre os regimes de países como China e Angola. Paulo Raimundo não escorregou na casca de banana e não se comprometeu com a picardia. Até num tema trazido pelo próprio Paulo Raimundo, a cultura, acabou por ser Mariana Mortágua a dar exemplos de medidas e problemas (chove no museu do Traje!)

Miguel Pinheiro — Em tempos não muito longínquos, o PCP tinha alguma dificuldade em admitir que, apesar do nome, o Bloco de Esquerda era mesmo de esquerda. E via-o como um parceiro pouco fiável nos arranjos com o PS. Neste debate, não: Paulo Raimundo, pelos vistos, está ansioso por “construir” coisas “positivas” com o BE. É a queda de mais um muro à esquerda. De resto, num debate largamente dedicado a falar sobre o voto útil, só faltou convidarem Pedro Nuno Santos a trazer uma cervejinha e uns tremoços para resolverem o assunto à mesma mesa. Até porque seria interessante perceber a reação do líder do PS à forma como Mariana Mortágua traçou, de forma inteligente, uma equivalência entre “voto útil” e “maioria absoluta”.

Pedro Jorge Castro — Mariana Mortágua e Paulo Raimundo reescreveram este domingo à noite a história da Carochinha na política portuguesa. Ambos querem casar com Pedro Nuno Santos, mostrando-se disponíveis para repetir uma moderna relação a três, mas arrasam o noivo antes mesmo da formalização do matrimónio. A líder do BE ganha o lugar de João Ratão principal, por ser muito mais eficaz e cativante a atrair quem se deixou levar pelo papão do voto útil em 2022 (e acordou desiludido por o PS ter afinal uma maioria absoluta). O líder do PCP marcou pontos a lembrar Odete Santos, mas marcará mais se deixar de dizer “questão grossa” (que afinal eram duas: a legislação laboral e os lucros da banca). Devem ter saído do estúdio muito amigos — caso tenham ido beber um copo, Mariana Mortágua bem pode ter-se oferecido para pagar, porque meteu o adversário simpático no bolso, confirmando a tendência das sondagens.

Rui Pedro Antunes — Entre Mortágua e Raimundo não houve debate, mas um dueto. PCP e BE concordam em quase tudo. Mostraram-se ambos disponíveis para uma união com Pedro Nuno Santos, embora a líder do BE queira assinar os papéis (num acordo escrito) e o secretário-geral do PCP fale em “construir uma maioria de esquerda” para pressionar o PS. No dueto de saudosistas da geringonça ficou evidente que Paulo Raimundo é menos afinado, confirmando — ao fim de quatro debates — que não tem jeito para isto, mesmo por comparação com camaradas seus como João Oliveira ou João Ferreira. Na disputa do eleitorado, Mortágua foi politicamente astuta a destacar aquilo que mais tira votos ao PCP: o posicionamento internacional (relativamente à guerra da Ucrânia, mas também a Angola e China) e um conservadorismo em algumas matérias (como a eutanásia). Raimundo ainda tentou — referindo os 17 anos do referendo à IVG — mostrar que o PCP é progressista em algumas áreas, mas Mortágua conseguiu impor a ideia de que é o BE que representa a esquerda moderna. Isso dá-lhe vantagem sobre os jovens e no eleitorado urbano onde disputa, à esquerda, eleitorado com o PCP.

Sara Antunes de Oliveira — Durante 27 minutos e 39 segundos, Paulo Raimundo e Mariana Mortágua nunca se interromperam. Inês Sousa Real ficaria feliz, mas, na verdade, é só um dos sinais de que foi um mau “debate”. Em primeiro lugar porque a coordenadora do Bloco de Esquerda e o secretário-geral do PCP estiveram, afinal, a debater com Pedro Nuno Santos — que, naturalmente, não estava lá. E quando, aos 16 minutos, finalmente falaram sobre o que os distingue, também não sacaram propriamente das armas. E assim, quase sem debate um com o outro, sobrou (e se sobrou!) espaço para repetir propostas. Na verdade, só aí foram realmente muito diferentes: Mariana Mortágua foi, sem dificuldade, muito mais eficaz no tempo de antena; Paulo Raimundo continua incapaz de se expressar de forma clara, segura e, sobretudo, geradora de algum entusiasmo em quem está a ouvir.

Luís Montenegro (AD)-Inês Sousa Real (PAN)

Ana Sanlez — Um debate por vezes confuso dada a quantidade de interrupções dos dois candidatos, sobretudo de Luís Montenegro, que hoje não veio para levar desaforos para casa. E Inês Sousa Real veio para atacar. Isso ficou claro logo no arranque, com a líder do PAN a insurgir-se contra a aliança do PSD com o PPM, que levou Montenegro a admitir, com embaraço, que desconhecia e repudiava as lamentáveis declarações de Gonçalo da Câmara Pereira sobre um caso de violência doméstica. O debate teve pouco de esclarecedor sobre as propostas dos dois partidos para 10 de março. Mas foi dominado pelas questões caras ao PAN (ambiente, animais, direitos das mulheres), o que até poderia dar vantagem a Inês Sousa Real na avaliação final do confronto. No entanto, ficou mal à líder do PAN insinuar que estava a ser silenciada no debate por ser mulher.

Filomena Martins — Ao contrário do que fez contra Pedro Nuno Santos, Inês Sousa Real entrou no debate com Luís Montenegro ao ataque para justificar a decisão de, afinal, já não estar disponível para apoiar um governo da AD. Começou pelo mais fácil, as frases virais de Gonçalo da Câmara Pereira (PPM), para dizer que a AD tem parceiros que são contra as mulheres e defendem a violência doméstica; depois usou o facto de se estar em dia de aniversário do referendo ao aborto para dizer que a AD tem parceiros que votaram contra esse direito feminino; e a seguir pegou na velha questão das touradas para dizer que a AD tem parceiros que são contra os direitos dos animais. O líder do PSD ainda titubeou ao justificar a aliança com o PPM como uma questão histórica da AD (considerando lamentáveis as declarações de Gonçalo da Câmara Pereira), mas depois depressa se recompôs. E a culpa foi de Sousa Real. Sempre que Montenegro a interrompia, ela dizia que a AD queria silenciar as mulheres. Argumento fraquinho, fraquinho, que entregou de bandeja ao adversário. Ele acusou-a de se fazer de vítima, usando a sua condição de mulher. E a agressividade dela foi-se esboroando quando ele a acusou de estar descontextualizada, lhe atirou com leis ambientais e animais aprovadas pelo PSD, as que estão no programa da AD. Mas, sobretudo, quando lhe disse que estava a usar toda uma ladainha em relação à AD por culpa do apelo ao voto útil de que foi vítima no debate com Pedro Nuno Santos.

Miguel Pinheiro — O líder do PSD deixou-se prender aos temas que mais interessam ao PAN — e só no final do debate denunciou aquilo que vê como a cumplicidade de Inês Sousa Real com as más decisões do PS nestes anos. Devia ter sido mais rápido a dar a volta, mas antes teve que lidar com um absurdo: a líder do PAN defendeu que um líder partidário que a interrompa durante um debate de campanha eleitoral está “a atropelar a voz das mulheres” e “a silenciar as mulheres”. Percebe-se a perplexidade no olhar de Luís Montenegro.

Ricardo Conceição — O nível de demagogia de Inês Sousa Real atingiu esta noite um novo pico. A líder do PAN tentou colar Luís Montenegro e a AD ao marialvismo de Gonçalo da Câmara Pereira, o líder do PPM. Sousa Real gravou uma cassete que desbobina numa rotação demasiado acelerada, que nem os espectadores mais atentos conseguem apreender. E jogou a carta da tentativa de silenciamento das mulheres contra o adversário no debate. Luís Montenegro falhou ao não conseguir arrumar de forma peremptória o exercício demagógico da sua oponente. Não sei se ficou abilolado com o ataque, mas perdeu a oportunidade de derrotar sem dó nem piedade os golpes baixos da líder do PAN. E por isso, leva um 6. O presidente do PSD esteve bem no final ao lembrar de forma inequívoca que o PAN não é inodoro no que toca aos blocos políticos e sente-se melhor à esquerda do que à direita.

Sara Antunes de Oliveira —Não, Inês Sousa Real. Quando alguém a interrompe num debate não é sempre porque a Inês é uma mulher. É um debate, não é um tempo de antena, os adversários interrompem-se. E sim, eu bem sei que muitos homens interrompem muitas mulheres só porque são mulheres e eles acham que podem. Mas também sei que, quando isso serve de argumento para tudo, depois já não serve de argumento para nada — mesmo (é essa a grande chatice) quando é verdade. Pior: neste caso, só serviu para destruir um arranque em que a líder do PAN estava a deixar Luís Montenegro em dificuldades a propósito das declarações de Gonçalo da Câmara Pereira, que o líder do PSD devia ter conhecido melhor antes de convidar para a AD e que agora é uma pedra muito chata no sapato (para dizer o mínimo). Sousa Real nunca mais conseguiu o mesmo embalo e Montenegro não voltou a perder o pé.

Pode ver aqui as notas dos debates de segunda-feiraterça-feiraquarta-feiraquinta-feira, sexta-feira e sábado.

As notas dos debates. Pedro Nuno Santos ou Rui Rocha, André Ventura ou Inês Sousa Real: quem foi o melhor na estreia?

Debates. As notas para os seis protagonistas desta terça-feira: entre estreias e repetentes, quem esteve melhor?

As notas dos debates. Arco-íris, escorregas e soluções de “laboratório” contra soluções de “fezada” na estreia de Rui Tavares com Rui Rocha

Quem ganhou cada um dos três debates desta sexta-feira, que terminou com o frente a frente Paulo Raimundo-André Ventura?

As notas dos debates. Luís Montenegro ou Paulo Raimundo, Pedro Nuno Santos ou Inês Sousa Real, quem ganhou?

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.