Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma introdução preliminar, sete pontos sobre os factos da acusação, um resumo das conclusões e uma lista de requerimentos, entre documentos e testemunhas. No longo Requerimento de Abertura de Instrução (RAI), exatamente com 250 páginas, José Azeredo Lopes surge ao ataque e com uma certeza: “Nunca mentiu ou ocultou quaisquer factos relevantes” sobre Tancos e pode prová-lo porque a acusação “não tem sustentação factual ou jurídica”.

Não ter “sustentação factual ou jurídica” é, provavelmente, a crítica mais leve que o antigo ministro da Defesa faz ao trabalho do Ministério Público. Em praticamente todos os pontos do RAI, e nas palavras do advogado Germano Marques da Silva, que o representa, Azeredo Lopes não poupa adjetivos sobre a acusação, algumas das suas teses ou a forma como foi construída: diz que é venenosa, absurda, parcial, abusiva e novelística; fala em obsessão quase doentia, induções assentes na ‘lógica da batata’ e em gravíssimas lacunas; e acusa o MP e a Polícia Judiciária (PJ) de terem inventado uma realidade adequada à narrativa que antes já tinham criado e de confundirem factos com “puro comentário político”.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.