805kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

i

Getty Images/iStockphoto

Getty Images/iStockphoto

Future Up: a transição energética começa na escola

Desafiar as escolas para impulsionarem a mudança, promovendo a eficiência energética, é o objetivo do movimento Future Up, desenvolvido pela Fundação Galp, que volta a lançar o Prémio Energy Up.

É na transição energética que o mundo deposita a esperança de um planeta melhor, mais saudável e sustentável. Mas, para que tal seja possível, ninguém duvida que é necessário envolver a sociedade como um todo, a começar pelas escolas.

É precisamente por isso que a Fundação Galp volta a lançar, este ano, o Prémio Energy Up, destinado a galardoar projetos escolares, desenvolvidos por estudantes e professores, nas áreas do consumo energético eficiente ou da mobilidade sustentável. O primeiro prémio é a instalação de painéis solares na escola vencedora, no valor de 20 mil euros, com o potencial de permitir a poupança de cerca de mil euros mensais na fatura da eletricidade da escola.

As candidaturas ao Prémio Energy Up 2023/24 já estão abertas e os professores podem submeter os seus projetos até ao dia 12 de abril. Para se candidatarem, devem consultar o Regulamento e preencher o Formulário disponível em www.fundacaogalp.com. Entretanto, vão ainda decorrer sessões de esclarecimento sobre o Prémio, no dia 7 março, às 12h30, e no dia 12 de março, às 17h30.

Prémios

Mostrar Esconder

Primeiro Prémio -> 20 mil euros

Instalação de painéis solares na escola vencedora, no valor de até 20 mil euros, que permitem uma poupança energética mensal de cerca de mil euros.

Prémio para melhor projeto por nível de escolaridade -> 2 mil euros

(1.º CEB; 2.º/3.º CEB; Ensino Secundário/Profissional)

Prémio para o 2.º e 3.º lugares -> Mil euros cada

(1.º CEB; 2.º/3.º CEB; Ensino Secundário/Profissional)

O Prémio Energy Up distingue as escolas nacionais (do continente e ilhas) que têm vindo a apostar na sustentabilidade energética da comunidade escolar, através de projetos desenvolvidos nos últimos cinco anos. Ou seja, podem participar escolas do 1.º, 2.º e 3.º ciclos do ensino básico (CEB), assim como do ensino secundário e profissional, que possuam projetos destinados a estimular, junto da respetiva comunidade educativa, um consumo mais eficiente da energia, através de soluções sustentáveis e inovadoras.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Prémio Energy Up é uma competição promovida pela Fundação Galp e pela Galp Solar, com o apoio dos seus parceiros institucionais, nomeadamente, a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), a Agência para a Energia (ADENE), a Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) e a Direção-Geral da Educação (DGE), tratando-se de uma medida financiada no âmbito do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia, aprovado pela ERSE – Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos.

Energy Up – Escolas cheias de energia, a bem da sustentabilidade

Enquanto parceira focada na transição energética, a Fundação Galp tem vindo a investir, desde 2010, na educação para a sustentabilidade dos mais novos. E isto porque acredita que a transição energética é uma oportunidade única para inovar e encontrar um equilíbrio entre as necessidades ambientais de hoje e as de amanhã.

O Future Up é um dos projetos que tem vindo a levar a cabo, envolvendo crianças e jovens, professores, voluntários e parceiros, com o objetivo de gerar impacto real positivo na sociedade em matérias relacionadas com a transição energética e a sustentabilidade.

Além do Prémio Energy Up, a iniciativa Future Up aposta fortemente na capacitação da comunidade escolar, nomeadamente, através das Aulas Energy Up, sendo que os professores podem inscrever a sua escola para que esta seja integrada no programa e beneficie do acesso a conteúdos e metodologias de trabalho, destinados a favorecer a mudança de comportamentos a bem do ambiente.

Future Up: escolas com energia desde 2010

2.2

milhões de alunos e professores impactados

600

voluntários

20.000

escolas

5.200

aulas de energia

Envolver as escolas para chegar ao mundo

Há cada vez mais evidência segundo a qual é junto dos mais novos, e através das escolas, que a sensibilização para a sustentabilidade deve começar. Por exemplo, um estudo intitulado “Fostering students’ willingness to act pro-environmentally through an identity-oriented socio-scientific exhibition on the energy transition“, publicado em 2023, analisou o impacto que a visita a uma exposição sobre transição energética teve num grupo de 185 jovens, tendo concluído que a predisposição geral dos alunos para agir em termos ambientais mudou significativamente depois da visita, nomeadamente, porque o seu conhecimento aumentou. Como tal, os investigadores defendem a necessidade de proporcionar aos mais novos uma maior diversidade de contactos com o tema, de forma a complementar a educação formal, aumentando assim a consciencialização e a mudança de comportamentos.

Exatamente por acreditar no poder das gerações mais novas para alavancar a transição energética, o Fórum Global de Energia Sustentável (GFSE na sigla em inglês), clama por mais “competências verdes” para os mais novos no documento que publicou sobre o tema, intitulado “The Youth and the Energy Transition”. O organismo defende que as crianças e os jovens devem contactar, durante os anos de formação, com a temática da sustentabilidade e o potencial da mobilidade elétrica, especialmente com o objetivo de despertar o seu interesse em trabalhos técnicos, de marketing e de gestão nesta área específica, entre outras razões.

São, de facto, muitas as formas concretas através das quais as escolas podem ajudar na transição energética. Não só através do programa curricular e das inúmeras atividades que podem promover, mas também porque as próprias escolas podem (e também já muitas o fazem) adotar práticas sustentáveis nas suas rotinas. Ao fazê-lo, não só contribuem para poupanças consideráveis, mas também acabam por influenciar positivamente toda a comunidade escolar, a começar pelos alunos, como ficou igualmente plasmado numa investigação conduzida em seis países do norte da Europa.

Com efeito, só atuando em várias frentes nas escolas, é possível contribuir para a formação de uma consciência ambiental coletiva e para o desenvolvimento de soluções inovadoras. E é mesmo aí que o Future Up dá um impulso extra.

A sua escola tem um projeto energético e os alunos estão envolvidos?

Mostrar Esconder

Se a resposta a esta pergunta é afirmativa, então, desafiamo-lo, como professor, a submeter o projeto ao Prémio Energy Up 2023/24. As inscrições estão a decorrer até ao dia 12 de abril de 2024.

Para concorrer deve consultar o Regulamento e preencher o Formulário disponível. Se tiver dúvidas, consulte o documento de apoio ou contacte a organização através do e-mail movimentoeducativo@galp.com.

As escolas vencedoras serão reveladas até ao final do ano letivo, através dos canais de comunicação da Fundação Galp, e na Cerimónia de Entrega de Prémios, a anunciar oportunamente.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€ Apoiar

MELHOR PREÇO DO ANO

Ao doar poderá ter acesso a uma lista exclusiva de benefícios

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€

MELHOR PREÇO DO ANO