Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Se alguém fizesse uma aposta sobre quem seria o próximo treinador do Real Madrid, é provável que Julen Lopetegui conseguisse uma percentagem pouco superior à probabilidade que a Arábia Saudita ou o Panamá terão de ganhar o Campeonato do Mundo. Vá, talvez um bocado mais, mas também não ia muito mais além de uma Islândia. E essa indicação até vinha dos próprios meios de informação espanhóis, que chegavam a possibilidades como Guti ou Solari (além das mais “prováveis”, casos de Pochettino, Klopp, Joachim Löw, Sarri ou Allegri, entre outros). No entanto, a notícia tornou-se mesmo pública na antecâmara do início do Campeonato do Mundo e acabou por funcionar como uma bomba na seleção e no futebol espanhol. Uma bomba que levaria à sua demissão, esta quarta-feira, a dois dias do primeiro jogo (contra Portugal).

Lopetegui despedido da seleção espanhola depois de anúncio de saída para o Real Madrid

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.