8

Rui Patrício

Como vem sendo hábito, teve mais oportunidades ao longo do jogo para reflectir do que para testar os seus reflexos, e foi-se notando no seu rosto a calma deliberação de quem pesa os factos disponíveis e se prepara para testar uma hipótese científica: aquele gajo vai mandar a bola para aqui. Tinha toda a razão.

Lars Baron/Getty Images

6, 5

Cédric

Deixou fugir Grosicki ao calcular mal o ressalto da bola e o lance mexeu-lhe com os nervos, mas melhorou depois do intervalo. Foi aplicando o seu dom para fazer cruzamentos simultaneamente bons – no sentido em que a bola vai para o sítio certo – e ineficazes – no sentido em que nunca causam o menor perigo.

FRANCISCO LEONG/AFP/Getty Images

9

Pepe

Malkovich malkovich malkovich. Malkovich! Malkovich malkovich – malkovich. Malkovich? Malkovich malkovich. Malkovich malkovich; malkovich, malkovich malkovich. Malkovich! Malkovich malkovich: malkovich malkovich. Malkovich! Malkovich! MALKOVICH!

AFP/Getty Images

8

José Fonte

Mais respeitador das leis universais do que Pepe, e sem a mesma capacidade de se desmultiplicar em réplicas de si mesmo. Ainda assim, resolveu com brio os poucos problemas que o colega generosamente lhe delegou: nos primeiros 10 minutos da 2ª parte, safou duas jogadas de perigo com cortes providenciais.

AFP/Getty Images

6

Eliseu

Não terá recebido o memorando a informá-lo de que, na eventualidade de as coisas correrem mal, a sua tarefa seria assumir o necessário papel de bode expiatório. Em vez de se mostrar nervoso e atabalhoado, como era sua obrigação, pareceu sempre das pessoas mais tranquilas em campo, mesmo enquanto cometia erros.

Laurence Griffiths/Getty Images

7

William Carvalho

Insiste que as coisas não têm de acontecer com a urgência com que vocês querem, mas sim obedecendo a um ritmo inaudível para os restantes mortais. Quase no fim, lembrou-se que o Quinteto Roy Hargrove vai ao Festival de Montreal no dia 6 de Julho, portanto viu o amarelo que o impede de participar nas meias-finais.

Getty Images

6

João Mário

O talento para organizar a complexidade não tem sobrevivido a uma anarquia táctica que parece demasiado simples para precisar de tanta inteligência. Ao ver-se reduzido à triste função de não fazer nada de errado, começou a fazer coisas erradas, num ternurento gesto de revolta que pareceu um pedido de socorro.

Getty Images

8,5

Renato Sanches

Assemelha-se a algumas instituições financeiras globais: é ao mesmo tempo mal gerido e “too big to fail”. À meia-hora foi ouvir instruções de Santos e fez prontamente um cruzamento disparatado – e aplaudido pelo treinador. Na jogada seguinte, confiou no talento e executou um bailout. Tem qualquer coisa, tem.

Getty Images

7

Adrien Silva

Desobrigado de interpretar o papel heróico de soldado desconhecido, que lhe foi atribuído no jogo anterior, teve mais tempo e espaço com a bola e assumiu as mais familiares tarefas de intermediário, tratando a bola como qualquer outra mercadoria, dessas que circulam na nossa sociedade de consumo.

FRANCISCO LEONG/AFP/Getty Images

6

Cristiano Ronaldo

Teve pelo menos quatro ocasiões de definição, todas em zonas e circunstâncias em que nos habituámos a esperar dele bem melhor. A mágoa que costuma exibir sempre que os colegas não lhe adivinham as intenções foi sendo substituída por frustração consigo mesmo. Mostrando memória histórica, marcou o primeiro penalty.

Laurence Griffiths/Getty Images

6, 5

Nani

Dribles lentos, passes denunciados. É intrigante que tudo isto não parece ser uma consequência de desgaste físico, pois, mais uma vez, mostrou-se fresco até ao prolongamento. Intrigante também que, num jogo tão fraco, tenha feito uma assistência e criado outras duas ocasiões. É um jogador intrigante, Nani.

Getty Images

6

João Moutinho

Entrou relativamente bem e o passe longo para Ronaldo, ao minuto 85, foi um dos seus melhores momentos no torneio até agora. Uma agressão involuntária (daquelas que parece sofrer periodicamente) deu-lhe oportunidade de reagir como se estivesse no palco, numa performance do Tito Andrónico.

Getty Images

5

Ricardo Quaresma

O ar de surpresa no seu rosto, ao perceber que tinha acabado de marcar o penalty decisivo, é uma das melhores imagens do Euro 2016 até agora. Porventura algum colega malicioso já lhe terá explicado que o jogo seguinte é a meia-final, mas é informação pouco relevante, e que Quaresma tratará de esquecer até lá.

Getty Images

5

Danilo

Nem sempre bem a distribuir, mas fez uma das melhores faltas do jogo inteiro, já na segunda parte do prolongamento, cancelando a possibilidade de um contra-ataque perigoso na fracção de segundo exacta para não ser amarelado.

Alex Livesey/Getty Images