819kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

i

Ricardo Castelo/Observador

Ricardo Castelo/Observador

Treinador do Canelas: "Se o Macaco manda? Ele bem tenta. Às vezes tenho que gritar: ‘Não o ouçam, cara#&$!’"

AVISO

Este artigo contém linguagem e descrições que podem ferir a sensibilidade dos leitores

Pensou deixar o clube após a agressão ao árbitro mas nunca "deixa cair" os jogadores. Milton Ribeiro é treinador "a mais" para o distrital mas onde diz poder "crescer" é como cabeleireiro.

O telefone tocou insistentemente naquele princípio de tarde. Era domingo e viajara nessa semana até Barcelona. Atendeu-o. Do outro lado a mulher conta-lhe que Marco, o “Orelhas”, por ele treinado, seu amigo de há muito, um e outro do Cerco do Porto, havia agredido um árbitro em Rio Tinto.

Milton é o treinador do Canelas (que este domingo joga contra o Maia). Mas não foi assistir ao jogo naquele dia. E assistir é tudo o que pode fazer hoje. Até dezembro não poderá sentar-se no banco de suplentes. Apenas poderá treinar o Canelas durante a semana e, quando o jogo chegar, entregá-lo ao adjunto para que este o comande. Milton foi castigado por ter incitado à violência (ainda que garanta não o ter feito) num jogo diante do Grijó, em outubro. O árbitro expulsou-o. O castigo de um ano de suspensão veio depois.

– “Quando ela me contou o que o Marco fez, pensei logo em desistir. Até liguei para o meu adjunto e disse-lhe: ‘Acabou! Vamos embora, acabou…’”

O castigo. Agora a agressão de Marco. Antes a recusa dos adversários em defrontar o Canelas. Milton fartara-se. Mas ponderou. Ponderou e resolveu ficar. Não por ele, mas pelos que treina. “Não desisto de nada. Sou do Cerco [do Porto]. Tudo o que tenho na vida foi ganho à minha custa. Se saísse estaria a pensar só em mim e não neles [jogadores]. Era fácil, era tão fácil salvaguarda-me saindo. Mas com isso ia prejudicá-los. Então resolvi ficar”, recorda. Mas esta não foi a primeira vez que pensou em bater com a porta no Canelas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Ao contrário do que muita gente diz eu nunca quis deixar o clube quando começaram a dizer que o Canelas era violento. Antes pelo contrário. Só por uma vez pensei em deixar o clube. E foi quando se intrometeram – ou tentaram intrometer — no meu trabalho. Nessa altura tive que encostá-los à parede. A mim ninguém me diz quem é que joga e quem é que não joga. Quando isso acontecer, quando decidirem por mim, vou-me embora”, garante.

"Seria hipócrita se não dissesse que sinto que podia perfeitamente pegar numa equipa do Campeonato Nacional de Seniores para o ano. Passei por todas as divisões da Associação de Futebol do Porto. Subi de divisão em três das quatro. Acho que posso dar o salto."

Mas o “ciclo” de Milton no Canelas pode estar a chegar ao fim. E explica: “Não sei o que é que vou fazer a seguir. Não sei mesmo. Mas vou-te ser sincero: às vezes penso em não treinar. Pelo menos enquanto cumprir castigo. No Canelas dificilmente vou continuar. Até porque a sete jogos do fim da época ainda não fui contacto para continuar. Os ciclos são algo que termina – e o meu ciclo no Canelas está mesmo a terminar.” Convites para treinar outros clubes garante que não tem. Poucas vezes os teve em doze anos de treinador. Não por não ter qualidade – Milton considera-se até com qualidade “a mais” para a distrital. Nunca os teve porque não se sabe vender.

“Subi de divisão com o Cruz, com o Progresso e com o Gondim. Em quatro anos de treinador nos seniores, subo de divisão em três clubes e desço um — e só desci o Águas Santas porque apanhei o clube com quatro pontos a meio da época. Mas também te digo: por muito bom que tu sejas, se não te souberes vender não chegas a lado nenhum. O que é ‘vender’? Às vezes é saber dar uma palmadinha nas costas de um presidente que quinze minutos antes falava mal de ti a não-sei-quem. Nunca dei – nem vou dar.” E acrescenta, Milton: “Aconteça o que acontecer o que quero é divertir-me no futebol. Mas também seria hipócrita se não te dissesse que sinto que podia perfeitamente pegar numa equipa do Campeonato Nacional de Seniores para o ano. Gostava, claro que gostava. Passei por todas as divisões da Associação de Futebol do Porto. Subi de divisão em três das quatro. Acho que posso dar o salto. Não é ambição desmedida da minha parte; é uma ambição lógica.”

A infância do gordinho que copiava Baía (e até se “safava” na baliza)

Milton César dos Santos Ribeiro. 35 anos. É casado. Pai de uma filha – o rapaz está para chegar. Nascido e criado no Cerco do Porto. Um portista dos sete costados. Cabeleireiro de profissão. Antes foi mecânico. Depois militar. Mas foi o futebol, sempre o futebol, que o cativou. E logo em criança.

“Começou tudo lá no bairro. Lá no Cerco nós tínhamos muitos ‘estádios’ para treinar – em cada rua fazíamos balizas com paralelos e era um ‘estádio’”, graceja. Com apenas dez anos foi treinar ao clube do bairro. “Como era gordinho – e ainda sou – fui para a baliza. É sempre o gordinho que vai à baliza, não é? [Risos] Mas safava-me, não era talentoso mas safava-me. O trabalho está sempre à frente de tudo, até do talento. E como trabalhava muito — e ainda trabalho –, safava-me bem. Muitas vezes até me treinava sozinho para evoluir.”

O ídolo de Milton era Vítor Baía. Sobretudo ele. “Óbvio que era. Sou portista, só podia ser ele. E tentava copiar o Vítor Baía em tudo: nas defesas, no penteado, até nos trejeitos. Mais tarde, o Peter Schmeichel acabou por ser alguém que eu também admirava. E achava que um dia podia ser como eles.” Depois do Cerco passaria ainda pelo Futebol Clube do Porto, Salgueiros e Gondomar. “Quando ainda jogava nos juniores do Gondomar – que na altura estava na II Divisão B – treinava com os seniores e até cheguei a jogar na Taça de Portugal”, lembra.

"O meu pai viu ser-lhe diagnosticado cancro de pele. Vivia só com ele e com uma irmã. Como ele não podia trabalhar, fui eu procurar trabalho: ajudante de mecânico. Às vezes diziam-me para ir desapertar um parafuso. Não desapertava se soubesse que podia magoar as mãos de que precisava para ser guarda-redes."

Mas tudo se alteraria. “Foi preciso começar a trabalhar. O meu pai viu ser-lhe diagnosticado cancro de pele. Vivia só com ele e com uma irmã. Como ele não podia trabalhar, fui eu procurar trabalho: ajudante de mecânico.” Contudo, e mesmo na oficina, Milton ainda ambicionava ter a baliza por profissão. “Tinha 17 anos na altura. Às vezes diziam-me para ir desapertar um parafuso. Não desapertava — se soubesse que podia magoar a mão, não desapertava. Dizia-lhes que precisava das mãos para ser guarda-redes. [Risos] O Gondomar ofereceu-me trinta contos na altura para continuar lá. Era pouco. E, então, foi para um clube da distrital aqui do Porto, o Desportivo de Portugal. O meu primeiro carro foi pago com o pouco dinheiro que ganhei no Desportivo.”

A morte precoce do pai afastou-o de vez dos relvados. Ou talvez não. “Pouco depois da morte dele fui para os fuzileiros, em Vale de Zebro. Como é óbvio o futebol ficou de parte — mas ainda fui campeão na Marinha, nos torneios que havia entre as bases militares. Posição? Sempre a guarda-redes, claro. A inteligência para jogar ‘à frente’ eu até tenho – o problema é que tenho dois ‘pés esquerdos’…”, graceja.

"Como era gordinho – e ainda sou – fui para a baliza. Sou inteligente, mas tenho dois ‘pés esquerdos’ para jogar à frente...”, graceja (Créditos: Ricardo Castelo/Observador)

Ricardo Castelo/Observador

Deixaria a Marinha, voltando ao Cerco Porto para viver. Um regresso ao bairro e ao clube do bairro. Um ano no Cerco primeiro, outro no São Roque a seguir. E depois pendura as luvas. Agora de vez. Tinha 22 anos. “Ainda fui campeão da III Divisão de amadores no São Roque. E é então que o treinador do São Roque me convida para ser o treinador de guarda-redes dele no Cerco. Fui treinar gajos que tinham quase o dobro da minha idade – havia um que era o Avelino que realmente tinha quase o dobro. Mas aceitei. O clube pagou-me o curso de treinador e aceitei”, conta.

Os putos do Cerco e a influência de Zé Tó

Não demoraria até que Milton assumisse um lugar de treinador principal: o dos iniciados do Cerco. O desafio não era somente o de vender; outros desafios havia que eram mais importantes no começo. “Pouca gente sabe disto. O meu objetivo nesse primeiro ano foi o de perceber o que é que eu podia fazer para acabar com um fenómeno dos iniciados do Cerco, que era o das expulsões atrás de expulsões nos jogos. E consegui acabar…” Como? Tentando ser mais do que apenas um treinador.

“O Cerco é um bairro pobre. Com dificuldades. Mais do que um treinador tive que um amigo, um psicólogo, às vezes um pai. Sou aquele tipo de treinador que quando um jogador vai para o hospital eu vou lá ter com ele. Sou aquele tipo de treinador que ouve a mulher reclamar que passei mais tempo com os jogadores do que com a minha filha quando era bebé. Sou aquele tipo de treinador que teve jogadores a dormir em sua casa porque não tinham onde ficar. Sou aquele tipo de treinador que foi lavar louça para casa de um jogador porque o pai tinha morrido e a mãe o tinha deixado. O treinador não pode ser só treinador. É muito mais.”

A filha de Milton tem hoje sete anos. "Não vi muito do que a minha ela fez nos primeiros anos porque passava muito tempo no futebol" (Créditos: Ricardo Castelo/Observador)

Ricardo Castelo/Observador

Milton garante que talento para o futebol é coisa que não falta no Cerco. Alguns chegam longe, outros não. “Olha o caso do Paulo Machado. Sim, esse: o da Seleção. O Paulo sai do Cerco para o Futebol Clube do Porto. E antes de assinar pelo Porto era um puto com ranho a pingar no nariz, vindo de uma das piores famílias que havia no Cerco a nível de confusão, e ele conseguiu ser alguém no futebol. O que faz a diferença é quando eles finalmente percebem que o futebol pode ser um escape à pobreza e aos problemas que têm em casa. O que tentei fazer naquele tempo em que treinei os iniciados do Cerco foi encaminhá-los.”

– “Sabias que eu treinei o Paulo [Machado] quando ele jogava no Olympiacos? Verdade. O treino dele nas férias era correr do Cerco até à Ponte do Freixo e da Ponte do Freixo ao Cerco. Até que me pediu para treinar no Gondim – para ganhar ritmo. Há um treino ele dominou a bola, quis rodar — à profissional — e sair a jogar. Parei o treino, fui para cima dele e disse-lhe: ‘Foda-se, Paulo! Não te disse que a bola tinha que sair rápido para a frente?!’ Mal digo isto, cai-me a ficha. O gajo vai-me mandar para… E ele pediu-me desculpa, vê lá tu.”

"O Zé Tó deu-me uma palmadinha no cachaço e disse-me: ‘Vá, andor daqui! Andor! Estás fodido, Milton: vais ter que jogar e mostrar a toda a gente que eu fiz bem em confiar em ti…’ Aquilo marcou-me muito. E essa também é o meu modo de estar no futebol: não deixarei nenhum jogador meu cair."

Paulo Machado é o maior caso de sucesso de um futebolista vindo do bairro onde Milton cresceu. Mas ao treinador não lhe importava que todos viessem a ser como Paulo. “Isso é o que menos importa, a sério que é. Cheguei a ter miúdos que antes do treino ainda não tinham comido nada o dia todo. Às vezes ao fim-de-semana, antes de o jogo começar, nem tinham tomado o pequeno-almoço. A primeira refeição era no clube. Às vezes tinham más notas. Conversava com eles e dizia-lhes: ‘Ou melhoras ou acabou-se o futebol…’ Não é um ‘chicote’; é dar a mão. A formação deles é muito mais importante do que o resultado. Mas isso não quero dizer que não tenham que se aplicar no futebol também. O futebol é como a vida: no futuro, eles vão ter que disputar um lugar no trabalho, vão ter que disputar uma namorada [Risos], vão ter que disputar uma casa…. O que não podem é acomodar-se nunca. Nem desistir ao primeiro obstáculo.”

O carácter que tem como treinador, Milton deve-a muito a Zé Tó. “Infelizmente o Zé Tó faleceu. Conheci-o nos juniores do Gondomar. Foi meu treinador lá. E é a minha maior referência. Não é o Mourinho, não é ninguém: é o Zé Tó.” E porquê? Milton recua, curiosamente, a um momento menos feliz. “O Gondomar vencia há não-sei-quantos jogos. E não sofria golos. Até que fomos jogar com o Freamunde. Havia um livre indireto a meio-campo e um jogador deles, pummm, mandou um ‘bilhete’ à baliza. Eu só tinha que deixar a bola entrar — o livre era indireto e não contava –, mas armei-me em guarda-redes, atirei-me, toco na bola e ela entra na baliza. Foi validado. Quando vou para o balneário ouço o Zé Tó a discutir com o adjunto. ‘É ele que vai continuar a jogar, ponto final!’, disse ele. No final vou ter com o Zé Tó e peço-lhe desculpa. Sabes o que é que ele me disse? Deu-me uma palmadinha no cachaço e disse-me: ‘Vá, andor daqui! Andor! Estás fodido, Milton: vais ter que jogar e mostrar a toda a gente que eu fiz bem em confiar em ti…’ Aquilo marcou-me muito. E essa também é o meu modo de estar no futebol: não deixarei nenhum jogador meu cair. Nunca.”

Amigos, amigos… futebol à parte (e o aguerrido Canelas “à Simeone” de Milton)

– “Vou-te contar uma história: quando cheguei ao Leça do Balio, o Leça ficava sempre nos últimos lugares. Cheguei aos juniores e escrevi no quadro: CAMPEÕES. E perguntei: ‘Qual de vocês é que acha que isto é possível?’ Ninguém me respondeu. E depois perguntei-lhes: ‘Quantos de vocês não gostam de mim?’ Eles tinham sido meus adversários. E houve um que disse: ‘Oh mister, efetivamente…’ Pedi-lhes duas semanas para mudar a opinião dele. E mudei. E conseguimos ser campeões.”

Milton socorre-se de uma célebre tirada de José Maria Pedroto para explicar que não é no relvado o que é fora dele. “Uma coisa é o Milton como adversário e outra é quando o têm como treinador. Não tem nada a ver. É que não tem nada a ver. Mas também te digo: não me incomoda nada que os adversários não gostem de mim. O Pedroto é que dizia: ‘Se formos bons rapazes todos nos vão ao…’”

Mas às vezes não só são os adversários no relvado que o veem como “mau rapaz”. “Estou agora a tirar o nível II do curso de treinadores. Entro pela primeira vez no curso e estão lá treinadores do Paços de Ferreira, do Espinho, do Maia. Quando me viram a passar, começaram a olhar uns para os outros e a tirar-me a ‘pinta’. Uma semana depois há um que me diz: “Quando te vimos a entrar pensámos ‘Foda-se, o treinador do Canelas aqui, este bronco aqui?! Vou ter que estar a levar com ele?! Mas afinal és um gajo porreiro!’ Claro que se pegares numa frase inflamada minha após o jogo vais dizer que eu sou um gajo maluco dos cornos. Mas depois do jogo não sou nada daquilo que tu vês.”

"O facto de pertencerem à claque do Futebol Clube do Porto não faz deles uns 'hooligans'. Com a saída do Marco [Gonçalves] o Canelas só tem três jogadores — ouviste: três! — que são dos Super Dragões. No Canelas temos sportinguistas, há um benfiquista. Ser-se do Porto não é um critério de seleção para jogar comigo."

O porte é imponente. De braços largos, fortes, mais de cem quilos de peso, rosto cerrado no banco, efusivo no trato enquanto lá se senta, grita, quase fica rouco, esbraceja, corre, o vernáculo sai-lhe como a uma vírgula. Violento? Nunca. Mas acabaria castigado por ter, alegadamente, apelado à violência. Milton nega que o tenha feito. “Outro treinador na mesma situação não seria castigado como eu fui. Nem expulso teria sido.” Mas o que é que aconteceu afinal? “Nem palavrões disse. O Marco sofreu uma falta que o árbitro deixou passar. Quando ele [Marco] voltou a receber a bola eu gritei-lhe: ‘Marco, dá-lhe!’ O gajo ouve-me, remata e faz um chapéu ao guarda-redes. Esta merda está filmada! Começa toda a gente a festejar, o árbitro corre até mim e diz-me que estou expulso. Expulso?! Apanhei um ano de suspensão porque o árbitro escreveu no relatório que eu disse ‘Dá-lhe! Fode-lhe [ao adversário que havia disputado a bola com o jogador do Canelas pouco antes] uma perna, Marco!’ Nunca disse tal coisa. Se tivesse dito, admitia-o.”

A duração do castigo, garante Milton, está na “má-fama” que o Canelas tem. Mas há razão para o clube ser mal-afamado? O treinador não se revê na violência que muitos lhe atribuem. E toma como exemplo o “aguerrido” Atlético de Madrid de Simeone: “Olha o Atlético: é violento? Não é. É aguerrido. O Simeone é que diz: ‘Não ganha quem é melhor, ganha quem trabalha mais.’ Nas distritais, às vezes a falta de talento é compensada com o esforço. Claro que se não consegues parar o gajo, dás-lhe uma ‘trancada’. É falta. Mas isso não é ser violento. Sabes qual é a primeira coisa que tu ouves dita por um central – em qualquer lado! – quando a equipa dele perde a bola e é apanhada em contra-ataque? Ele diz ‘mata’. Achas que está a apelar à violência ou está somente a dizer para se fazer uma falta a meio-campo e matar a jogada? Por outro lado, tenha o adversário mais condições ou menos condições – e nesta altura há clubes a jogar com o Canelas que têm um orçamento e estruturas muito superiores –, ‘nunca vi um saco com dinheiro a ganhar jogos’. A frase não é minha, é do Cruijff, mas aplica-se. No final o que conta, aquilo de que toda a gente de lembra, são as vitórias.”

– “Na altura da fuga do Pedro Dias eu dizia que o melhor sítio para ele se esconder era no balneários do Canelas. Como toda a gente tinha medo de vir cá…”

Para Milton, os adversários recusavam-se (ao todo, doze clubes fizeram-no ao longo da época) a defrontar o Canelas porque nele havia elementos dos Super Dragões. Mas garante que estes são uma minoria. “Atenção: o facto de pertencerem à claque do Futebol Clube do Porto não faz deles uns hooligans. Com a saída do Marco [Gonçalves] o Canelas só tem três jogadores — ouviste: três! — que são dos Super Dragões. No Canelas temos sportinguistas, há um benfiquista. Ser-se do Porto não é um critério de seleção para jogar comigo. Há professores, cabeleireiros como eu, estudantes — alguns até estão a tirar o mestrado –, temos quarentões e miúdos de vinte e poucos anos. Há de tudo no Canelas. O que têm em comum é o amor ao futebol. Achas que é pelo quê? Pelo dinheiro? Às vezes o prémio de jogo é vinte euros e nem dá para o gasóleo. Outras vezes é um pequeno-almoço na confeitaria Mimos, em Canidelo — e é sempre a mesma coisa: bolacha com marmelada”, lembra.

"As pessoas têm medo do 'Macaco', mas eu falo pior com ele do que com os outros. Ele aguenta bem!”, garante Milton (Créditos: Ricardo Castelo/Observador)

Ricardo Castelo/Observador

Aos jogadores que treina no Canelas, Milton vê-os como exemplos de dedicação ao desporto. Isto quando os treina a todos ao mesmo tempo. O que é coisa rara. “Pouca gente sabe, mas o Canelas treina à terça, quarta e quinta-feira. Às vezes ao sábado também. Aqui trabalha-se muito. Muitíssimo. Às vezes chega a hora do treino e só tenho dez gajos para treinar. Porquê? Porque os outros ficaram a trabalhar até mais tarde, ou porque têm o filho doente. É difícil ser treinador no futebol amador. Ser treinador do Futebol Clube do Porto é fácil; difícil é aqui. Tenho um central, um miúdo, o Oliveira, que entra às oito da manhã no trabalho, sai às oito da noite, treina e vai trabalhar outra vez. Ele é serralheiro mecânico – é um trabalho lixado, cansativo. Como é que eu posso exigir mais dele? Não posso. E o caso dele não é o único”, garante.

Mas nem só de dedicação (e má-fama) se faz o balneário do Canelas. Também é preciso “o gajo que organiza a francesinha”. Como assim? “Num plantel tu precisas de ter os craques, os carregadores-de-piano, os batalhadores, os malucos… e o gajo que organiza a francesinha. Nós temos um gajo dentro do balneário que é o que organiza a francesinha – se é para organizar jantares é com ele. Não joga é um caralho. O gajo é uma merda, não tem pés nem tem nada, mas é necessário: sem esse tipo de jogadores, que são o ‘palhaço’ do grupo, também não se ganha”, explica, gracejando.

“Posso crescer mais como cabeleireiro do que como treinador. Mas a minha paixão ainda é o futebol”

Milton concilia o relvado com os salões: é cabeleireiro. Sempre conseguiu separá-las, às profissões. Mas é cada vez mais difícil fazê-lo. “Começam agora a ver-me nas notícias e sabem que sou o treinador do Canelas. Antes não sabiam. A minha sorte é que as pessoas que me conheciam como cabeleireiro antes de eu aparecer nas notícias sabem que é impossível eu ser como me pintam. ‘Ele não pode ser este arruaceiro…’, dizem elas.” Mas, afinal, onde é que Milton melhor se sente?

“Não sei. Mas se tivesse que escolher hoje entre a profissão de treinador e a de cabeleireiro, escolheria a de cabeleireiro. Sinto que é onde posso crescer mais pelo meu trabalho. Claro que ainda tenho uma paixão enorme pelo futebol, mas é hoje muito menor do que era há uns anos. Porquê? Porque não te dão valor quando fazes alguma coisa bem, porque não faltam dedos a apontar para ti quando fazes alguma mal, mas quando tens capacidade para trabalhar e talento não te reconhecem isso. Chegas a um ponto em que pensas em desistir”, desabafa.

"O que aconteceu com o Marco é uma situação que não pode acontecer mas que aconteceu. Mas isso não pode ter uma repercussão no resto da equipa. Foi algo mau, impensado e irrefletido. Mas que acontece.”

Milton lembra que treinar Canelas, mais do que em qualquer outro clube onde treinou antes, é “um desgaste enorme”. E o pouco que recebe não chega nem para o que no futebol investe. “Deviam era ter vergonha e não me pagar nada, foda-se! [Risos] O futebol dá-nos muito menos do que o que nós lhe damos. Não vi muito do que a minha filha fez nos primeiros anos de vida porque passava muito tempo fora de casa – e mesmo quando estás em casa, às vezes não estás lá.”

Apesar de tudo, da ausência em casa, do cansaço, da má-fama do Canelas, apesar de tudo Milton “diverte-se” a treinar. Só não lhe digam é que não ele quem treina o clube. Isso não. “Às vezes ganho e dizem-me: ‘Ganhaste porque tens lá o Macaco!’ Passo-me. Se o Macaco manda alguma coisa? Ele bem tenta, ele bem tenta. [Risos] E grita, mal vê a bola grita logo: ‘Mete aqui na frente! Mete aqui na frente!’ E tenho eu que gritar mais alto do que ele: ‘Não o ouçam, caralho! Não o ouçam… Joguem à bola!’ Medo do Macaco? As pessoas têm medo dele, claro que têm. Mas falo pior com ele do que com os outros. Ele aguenta bem”, explica.

Este domingo há jogo contra o Maia. Mas haverá árbitro para o apitar? “Acho que vai haver jogo domingo – e que vai ser um jogo perfeitamente normal. O que aconteceu com o Marco é uma situação que não pode acontecer mas que aconteceu. Mas isso não pode ter uma repercussão no resto da equipa. Foi algo mau, impensado e irrefletido. Mas que acontece.” A Milton, esse, vamos vê-lo na bancada. A treinar. “Estou castigado, é verdade, mas isso só me impede de ir para o banco. É claro que é muito mais difícil treinar a partir da bancada. Tu no banco consegues chamar um jogador e da bancada às vezes não por causa do barulho. Na bancada pareço um maluquinho aos gritos. Se os jogadores me ouvem? A mim ouvem, a mim sim. Ai não que não ouvem. O gajo tem que olhar para mim! Chamo-o uma, duas, três, dez vezes se for preciso.”

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos