Quando olhamos os números da pandemia Covid-19 em África, não podemos deixar de nos surpreender pela baixa incidência da doença no Continente.

Segundo os dados da John Hopkins University – Centro para a Prevenção e Controlo de Doenças da União Africana (África CDC), temos, em 13 de Maio de 2020, no total dos 54 países africanos,  69.707 infectados diagnosticados, 2.399 mortos e 24.141 recuperados.

A imensa maioria dos casos são na África do Sul (12.074), no Egipto (10.431), em Marrocos (6.593), na Argélia (6.253) na Nigéria (4.787) e na Tunísia (1.032).

Ou seja, cerca de metade dos casos estão concentrados em quatro países – três do Norte de África (Egipto, Marrocos e Argélia) e um no extremo sul do continente (a República da África do Sul) bem como o número de mortos (Egipto 556, Argélia 522, África do Sul 219, Marrocos 189).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Isto significa que a África Subsaariana, tropical e subtropical, se tem mostrado relativamente imune à pandemia.

Algumas explicações foram já adiantadas: o clima – o Corona Vírus parece não ser compatível com temperaturas elevadas, até chegou a dizer-se que não resistia acima dos 27 graus; a baixa média etária da população – com uma pequena minoria de pessoas com mais de 65 anos; e a exposição a outras epidemias – contribuindo para a existência de uma maior imunidade de grupo o facto de o Continente estar fortemente exposto a epidemias como o VIH-SIDA, a malária e a tuberculose. Há ainda quem aponte a falta de monitorização e registo dos casos ou até o factor étnico: os negros seriam menos sensíveis ao Covid-19 que os brancos (o que, nos Estados Unidos, talvez pela interferência de outros factores, tem sido contrariado). Finalmente, para os menos optimistas, esta baixa incidência será unicamente uma questão de tempo: estando mais afastada dos circuitos de comunicação euro-americanos e asiáticos, a África estaria agora a beneficiar de um tempo de espera até que a rede infecciosa comece a actuar e a alastrar.

Seja por que razão for, o facto é que a incidência do vírus em África tem sido incomparavelmente menor do que na área euroamericana e asiática.

E os PALOPs são exemplo disso. O país mais atingido pelo Covid-19 é a Guiné-Bissau, onde até membros do Governo foram já infectados. Sendo um dos menos povoados dos PALOPs, o país que desde a crise política eleitoral vive uma situação ambígua com um governo imposto por uma solução de força é o que regista uma maior incidência da epidemia – 836 infectados, contando já com alguns mortos.

Moçambique, na contracosta da África Ocidental, continua com uma taxa baixíssima de contaminados. O que é ainda mais impressionante se pensarmos que tem por país vizinho a África do Sul, que bate todos os recordes de Covid-19 na África Subsaariana, com mais de 12.074 casos positivos, 200 mortos, 4.745 recuperados. Em Moçambique, os casos confirmados andam pelos 100, a maioria na crítica província de Cabo Delgado – assolada pelo terrorismo jihadista, que pretende inviabilizar economicamente o Norte do país, atacando as áreas on-shore que farão a logística das of-shores. Em Cabo Delgado, o contágio e a irradiação parecem ter vindo dos quadros estrangeiros da TOTAL, que infectaram o pessoal do compound onde se concentravam. Os primeiros infectados foram trabalhadores da petrolífera francesa. Mas no país, por enquanto, não há vítimas mortais.

Em Cabo Verde, desde o primeiro caso de infectados, a 19 de Março, a maior incidência tem sido na Ilha de Santiago. O total dos casos no Arquipélago é de 289, sobretudo na cidade da Praia, capital da Ilha de Santiago. Houve casos também na Boavista e no Tarrafal.

Já em S. Tomé, os números indicam 231 casos positivos, com 7 mortes. Dos 231 positivos, 211 estão em isolamento familiar, 9 em hospitais e 4 já recuperados.

Angola, com 36 milhões de habitantes e uma expectativa de vida de 62 anos e que, até à crise petrolífera de 2014, tinha altos índices de crescimento económico, também regista números surpreendentemente baixos: 45 casos positivos, 2 mortos.

Além dos factores gerais que podem explicar esta relativa maior imunidade das populações da África tropical e subtropical à pandemia Covid-19, em Angola, as medidas preventivas – fechamento de fronteiras, isolamento da população, controlo sanitário – foram tomadas desde a segunda quinzena de Março. E foram apoiadas pelo líder da UNITA, o principal partido da oposição, Adalberto da Costa Júnior, que aconselhou os seus compatriotas a seguiram as directivas governamentais, adoptando o isolamento.

É claro que o isolamento decretado é relativamente fácil de cumprir na chamada “cidade do asfalto” mas infinitamente mais difícil nos bairros periféricos da cidade onde, quer por condições de vida, quer por necessidade de ganhar o pão de cada dia, a população activa tem de sair, mesmo assumindo os riscos. É esta, aliás, a regra na maioria dos países da região.

Em Timor Leste, uma das principais preocupações neste momento é isolar o país dos vizinhos indonésios, na metade Oeste da ilha. Na Indonésia há cerca de 16.000 casos positivos e mais de mil mortos e Timor Leste, com 24 casos assinalados, 21 recuperados e zero mortos, é um dos menos atingidos em todo o globo pela pandemia.

Resumindo, com exclusão da Guiné-Bissau que, com uma população de dois milhões de habitantes, tem mais de 800 casos, os PALOPs e Timor, todos situados nas regiões tropicais e subtropicais, parecem estar a ser, até agora, relativamente poupados pela pandemia. Em África, as vítimas mortais que fez o novo vírus correspondem a menos de 1% da totalidade das mortes.

Mas talvez a grande tragédia de África e da África Subsariana não venha tanto do impacto sanitário da Covid 19 mas das consequências económicas da pandemia a nível regional e global. Isto aplica-se aos países da CPLP e aos PALOPS/CPLP.

Os dois maiores e mais populosos países da região, Angola e Moçambique, que nos últimos anos tinham conseguido diminuir drasticamente a fome entre a sua população, vão ser seriamente afectados pelo lado das receitas. Angola, que, apesar de estar em fase de reconversão económica,  ainda continua a ser basicamente uma petroeconomia; e Moçambique, que há muito espera da exploração do gás natural o grande salto para o desenvolvimento.

Quanto a Angola, embora o Brent e o WTI tenham recuperado esta semana para 31 dólares e 27,5 dólares o barril, sofreu muito nos últimos dois meses com a quebra da procura; e Moçambique que luta com o nascente terrorismo em Cabo Delgado, também desceu as perspectivas de produção de gás natural a curto prazo. Deste modo, Angola e Moçambique, mesmo que não venham a ser muito atingidos pela crise sanitária, estão já a ser atingidos pelas consequências da crise, vendo baixar o valor das exportações actuais ou futuras e manter-se estático ou em alta o valor das importações. Também Cabo Verde e São Tomé sofrem com a quebra de receitas turísticas.

Mas a crise vai ajudar ou até forçar a aceleração de alternativas de produção agrícola e agro-industrial, de que Angola, por exemplo, tem longa experiência.

Também nesse sentido, é urgente que Portugal repense a sua posição na CPLP, num mundo novo em que a confiança pode ser um elemento chave, e num mercado em que se vão quebrar relações anteriores e reactivar outras solidariedades e cumplicidades.