Rádio Observador

Socialismo

A coerência socialista no seu melhor

Autor

No se puede ser proeuropeo y apoyarse en fuerzas antieuropeístas para gobernar" disse Pedro Sánchez no recente congresso dos socialistas europeus realizado em Lisboa. Será que António Costa ouviu?

No recente congresso dos socialistas europeus realizado em Lisboa, o primeiro-ministro espanhol e líder do PSOE, Pedro Sánchez, desafiou os seus correligionários a “hacer mucho más” para obstar ao avanço da ultradireita e do autoritarismo. Um desafio que foi bem recebido, face ao avanço da ultradireita na União Europeia.

Uma concordância que, no entanto, revela pouco espírito crítico, pois nenhum dos presentes fez questão de dizer que o autoritarismo não é um exclusivo da ultradireita. Uma desnecessidade. O congresso não se destinava a esclarecer que, como Takis Pappas provou, um dos mitos do populismo é a sua redução à extrema-direita. Por isso, não valia a pena falar dos partidos totalitários e autoritários de esquerda que estão no Poder – caso do Syriza – ou que apoiam a solução governativa, como acontece em Portugal com o PCP, o Bloco de Esquerda e o PEV.

Para os socialistas europeus, autoritarismo é sinónimo de extrema-direita. Ponto final na discussão. Havia assuntos muito mais pertinentes a tratar e era preciso tirar partido da hospitalidade do anfitrião. Medina de seu nome.

Só que, influenciado pelas recentes eleições na Andaluzia e com fundados receios de ver o PSOE apeado, pela vez primeira, da governação da região autónoma, Pedro Sánchez teve uma tirada notável. Afirmou que “No se puede ser proeuropeo y apoyarse en fuerzas antieuropeístas para gobernar”.

O recado era claro. Na Andaluzia, não há lugar para geringonças. O PP e o Ciudadanos não podem coligar-se com o populista e ultradireitista Vox para terem maioria absoluta. Verdade que Sánchez não foi ao ponto de dizer que o PP e o Ciudadanos devem respeitar a vontade dos eleitores. Manter o PSOE no Governo da Andaluzia, uma vez que ganhou as eleições. Provavelmente lembrou-se da forma como chegou ao Poder em Madrid.

Voltando ao aviso, é provável que não tenha incomodado António Costa. O seu sorriso continuou aberto. Possivelmente não deu conta que a sua geringonça é apoiada por partidos antieuropeístas. Outros dos assuntos que não estava na mesa da discussão.

Uma questão de somenos. Afinal, quem é que ainda se lembra dos tempos de antena e dos panfletos do PCP contra a adesão de Portugal à Comunidade Europeia? É claro que o Bloco de Esquerda não pode ser acusado de se rever nesse posicionamento. Ainda não existia na altura, embora alguns dos seus atuais rostos militassem noutros partidos igualmente antieuropeístas. Outro dos esquecimentos muito bem lembrados. Só vale a pena trazer à tona o passado para recordar o ativo próprio e denegrir o alheio.

António Costa não se sentiu atingido com as palavras de Sánchez. Era um não-assunto. Na sua ótica, hoje já ninguém se preocupa com o facto de os eurodeputados da CDU e do BE integrarem o grupo da Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde, um grupo que não se revê na atual União Europeia e pretende construir uma outra comunidade. Não é em vão que o PCP olha com nostalgia para os tempos da URSS.

Se tivesse sido questionado sobre o não-assunto, era provável que António Costa defendesse que a posição da CDU e do BE não é antieuropeísta. Possivelmente garantiria que se trata de um europeísmo diferente. Seja lá o que isso signifique. Ponto final, parágrafo.

Desunião ibérica? Não, os conceitos ao sabor dos interesses próprios. Uma coerência feita de incoerências.

Politólogo

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Açores

Lajes: entre os Pombos e a Águia

José Pinto

Se as instalações da aerogare das Lajes reclamam há muito por obras de manutenção, os pombos decidiram dar uma asinha – um eufemismo por motivos higiénicos – na degradação ambiental.

Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto
295

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Política

A sobrevivência do socialismo /premium

André Abrantes Amaral
140

O socialismo é a protecção de um sector contra os que ficam de fora. O desejo de ordem e a desresponsabilização é natural entre os que querem segurança a todo o custo.

Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos
657

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Socialismo

O Estado não é arbitrário; é subsidiário

Mário Pinto

Como se sabe, o Partido Socialista tem tido intermitências, e hoje Portugal parece ser uma reserva ecológica de preservação das clássicas espécies de socialismos centralistas em risco de extinção.

Socialismo

Porque não sou socialista /premium

José Manuel Fernandes
3.888

A simples condição de “não socialista” parece estar tocada pela lepra e merecer um cordão sanitário. É pois tempo de dizer que não sou socialista porque já fui socialista e sei o que isso significa.

Venezuela

Duas ilusões sobre a Venezuela /premium

Rui Ramos
714

A tirania chavista na Venezuela não é socialista? Quer dizer que nacionalizar, condicionar e subsidiar já não é socialismo? E nesse caso, porque é que tantos líderes da esquerda apoiaram Chávez?

António Costa

Prioridades à la carte /premium

Alexandre Homem Cristo
386

Capaz de prometer tudo e o seu contrário, este PS de 2019, embriagado pela hipótese de uma maioria absoluta, não é diferente daquele PS de 2009, cuja soberba atirou um país para o abismo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)