Liberdades

Graus de liberdade /premium

Autor
  • Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Tenho a incomensurável sorte de ter nascido e vivido até hoje em liberdade. Séries, documentários e filmes e o relato das vivências e estórias pelos meus pais acerca desse período têm tido impacto em mim e permitiram-me colmatar as enormes lacunas que os programas do curriculum de História na escola das décadas de 80 e ainda de 90 estranhamente tinham. É sabido que damos mais valor ao que temos quando experimentamos algum nível de perda: experienciando a doença somos mais gratos pela saúde, passando o Inverno apreciamos os dias mais longos de luz, estando mais sozinhos rejubilamos com a presença, o contacto e o convívio…

Se a nossa existência é vivida em dialéctica, também é verdade que os fenómenos sociais e políticos que estão na base da emergência de determinados sistemas ditatoriais não se criam da noite para o dia, assintomáticos e imperscrutáveis, pelo que a perda da liberdade (que muito raramente é absoluta) não é inevitável. No entanto, há-que ser vigilante e sagaz para que o também observável enviesamento emocional da aversão à perda que a todos nos afecta se traduza em políticas e comportamentos que evitem a perda de graus de liberdade, desnecessariamente.

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão e a autonomia e a espontaneidade não fossem afinal os impulsionadores da possibilidade do agir e por isso de nos definirmos. Poder ou não comportarmo-nos de determinada maneira condiciona, portanto, em diferentes graus a nossa liberdade. Ter uma doença, estar desempregado, ser vítima de violência, não ter acesso a educação mas também a falta de sentido para a vida, a solidão, a transformação da intimidade (procura prioritária de prazer em detrimento de afecto) e a falta de poder pessoal para desenvolver as nossas potencialidades e influenciar os outros são elementos de um binómio composto também pelas variáveis bem-estar, justiça social e igualdade da sociedade e dos contextos em que nos inserimos e que coartam a liberdade individual.

A Psicologia, enquanto ciência-profissão, pode e tem contribuído para que em inúmeras dimensões os indivíduos, as famílias, os grupos, as organizações, as comunidades possam ter mais graus de liberdade. Não é por um qualquer acaso que, em Portugal, a Psicologia só se desenvolveu e teve expressão depois do 25 de Abril, após a autorização do primeiro curso de Psicologia em 1968.

Hoje, os Psicólogos implementam programas de desenvolvimento de competências sócio-emocionais nas escolas, promovendo a saúde psicológica de crianças e adolescentes, aumentando os factores protectores da saúde. Hoje, os Psicólogos ajudam à mudança de comportamentos e estilos de vida subjacentes a doenças como a diabetes, as cardiovasculares e a obesidade. Hoje, os Psicólogos realizam projectos com vista a aquisição de  estratégias de empowerment e de redução das desigualdades sociais em comunidades e em grupos de risco ou vulneráveis. Hoje, os Psicólogos avaliam o impacto social de fenómenos ambientais como a seca ou as alterações climáticas. Hoje, os Psicólogos realizam avaliação de perigosidade a reclusos. Hoje, os Psicólogos desenham e operacionalizam programas de promoção da motivação e satisfação laborais. Hoje, os Psicólogos contribuem para a construção de políticas públicas e de soluções com vista ao aumento da sua eficácia, tendo em conta o comportamento das pessoas. Hoje, os Psicólogos realizam treino de competências psicológicas relacionadas com o sucesso em contextos desportivos…

Porque procurando ampliar a auto-determinação, cavalgamos a sempre fugidia liberdade pois “Não se trata de saber porque é que somos livres, mas quais são os caminhos da liberdade.” (Jean-Paul Sartre).

Psicóloga especialista em Psicologia Clínica e da Saúde, Psicologia da Educação, Psicoterapia e Psicologia Vocacional e do Desenvolvimento da Carreira

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberdades

O medo da liberdade /premium

Paulo Tunhas
268

O que esta nova esquerda busca não se reduz ao desenvolvimento de um Estado tutelar. É algo que visa a perfeita eliminação da sociedade como realidade distinta do Estado. Basta ouvir Catarina Martins.

Liberdades

Pela liberdade de estudar no ensino superior

José Manuel Silva

Quando o mundo muda a uma velocidade estonteante, forças poderosas, que passam por progressistas, continuam a amarrar o país a um Estado todo-poderoso e financeiramente insaciável.

Socialismo

Porque não sou socialista /premium

José Manuel Fernandes
3.888

A simples condição de “não socialista” parece estar tocada pela lepra e merecer um cordão sanitário. É pois tempo de dizer que não sou socialista porque já fui socialista e sei o que isso significa.

Educação

Escola Pública serve para formar bons republicanos

José Maria Seabra Duque
191

A liberdade de educação, com mais autonomia para as escolas, mais liberdade de escolha para os pais, mais envolvimento das comunidades locais, é a luta pelo direito constitucional a educar os filhos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)