Identidade de Género

Insanidades

Autor
696

Uma pessoa mudar de género é legal em Portugal. Mas continua a não ser aceitável mudar de idade, de altura, ou de impressões digitais. Mas porquê se também elas são definidoras da identidade pessoal?

Sanidade é, na sua definição clássica, a conformidade da mente com a realidade. É a aderência do intelecto à natureza tal como ela é. Inversamente, insanidade é dissociação entre o que se pensa e o mundo real. Na tradição da filosofia grega, tal como na da chinesa, é considerado ato de solidariedade ajudar os enganados e equivocados a perceberem as coisas tal como elas de facto são. E é função do Estado garantir que as interações sociais se conformam com a realidade. Vejamos três exemplos de insanidades recentes.

Rachel Dolezal identifica-se como afro-americana e gosta de celebrar a sua negritude. Era professora de estudos africanos na Eastern Washington University e presidente da seção de Spokane da National Association for the Advancement of Colored People. Até que, em 2015, os pais vieram a público declarar que ela não tinha uma gota de sangue africano nas veias. Da noite para o dia Dolezal passou de heroína a vilã. A fúria da comunidade afro-americana caiu-lhe em cima e ela foi despedida do seu emprego e demitida de todos cargos públicos para os quais tinha sido eleita. Porquê? Porque na realidade não era afro. Não era portanto genuína, e estava-se a apropriar ilegitimamente de uma identidade que não era sua. A sua disforia racial, uma insanidade, não é aceitável.

Paul “Stefoknee” Woscht, há três anos atrás, passou a identificar-se como uma menina de seis anos. Tinha então 52, tinha estado casado mais de vinte, período durante o qual tinha gerado com a sua mulher sete filhos. Encontrou “pais adotivos” que agora cuidam dele. Quando não está em campanha LGBT passa o dia a brincar com bonecas, frequentemente com chucha na boca. O registo civil e a imprensa aceitaram como natural a sua disforia sexual, e Paul é agora tratado para todos os efeitos, legais e sociais, como uma “she”. Curiosamente o registo civil não aceitou a mudar-lhe a data de nascimento, o que faz com que não possa ir à escola como as meninas da sua idade. Porquê? Porque na realidade não nasceu em 2008. A sua disforia etária, uma insanidade, ao contrário da disforia de género, não é aceitável.

Ricardo Robles é um empreendedor nato. Especular e acumular capital estão-lhe no sangue. O que é, diga-se de passagem, um instinto natural nos humanos e, se feito com moderação, algo que é socialmente útil. No entanto, Robles identifica-se como anticapitalista e a favor da distribuição igualitária do rendimento. Apesar de não ter feito nada de ilegal, o Bloco obrigou-o a demitir-se dos cargos para os quais tinha sido eleito. Porquê? Porque na realidade ele não é verdadeiramente anticapitalista. A sua disforia socioeconómica, uma insanidade que afeta quase todos os neomarxistas, não é aceitável. Quem padece desta condição, se sai do armário, arrisca-se a sofrer uma discriminação social rábida.

Há, portanto, disforias respeitáveis e disforias não respeitáveis. Com a promulgação do Decreto da Assembleia da República nº 228/XIII relativo à autodeterminação da identidade de género passa a ser possível, para efeitos legais, uma pessoa mudar de género em Portugal. Mas continua a não ser aceitável, mudar de idade (ou data de nascimento), de altura, ou de impressões digitais. Porque é que a identificação civil continua a não permitir estas mudanças, também elas definidoras da identidade pessoal? Será por fidelidade à realidade? Mas se o género é um artificio social sem substrato natural, será que raça, idade, estatura física e textura epidérmica o não serão também?

Então porque é que o decreto parlamentar acima referido não aproveitou para reconhecer também, para efeitos civis, a disforia etária? Terá sido apenas pelo impacto que teria no Orçamento de Estado? Se a lei permitisse a “autodeterminação da identidade etária” será que haveria algum trintão que não passasse imediatamente a se identificar como tendo 70 anos, de modo a receber a reforma, ou 7 dias, para se habilitar ao abono de família?

Diógenes Laércio (fl. terceiro séc. d.C.)  conta que Tales de Mileto (c. 624—c. 546 a.C.), que adorava o astro rei como único deus, fazia a seguinte ação de graças a cada alba:

“Dou-te graças Senhor por eu ter nascido:
humano e não animal,
homem e não mulher,
grego e não bárbaro.”

Ao que qualquer moderno adorador do Sol poderia acrescentar:

“E por não pensar ser o que não sou.”

PS: “E já agora, Senhor, se não for de todo impossível, dai sanidade aos nossos governantes. Amém.”

PPS: Fazem-se votos de melhoras a Dolezal, para que reconheça que a cosmética não lhe altera a genética, a Woscht, para que se aperceba que a passagem do tempo define a idade e a genitália o sexo, e a Robles, para que empreendendo possa continuar a gerar riqueza e emprego e a desenvolver a sua personalidade de um modo mais humano. Especular não é doença. Acreditar em histórias da carochinha neomarxistas é que é insanidade.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Perspetiva económica

José Miguel Pinto dos Santos
159

Kōan (para leitura meditada, com a coluna bem direita, preferencialmente com uma inspiração e expiração profunda entre cada frase, acompanhada de visualização pausada de cada episódio)

Estado

Perspetiva sínica sobre incidente alfandegário

José Miguel Pinto dos Santos
178

Para um legalista, um cidadão que passa pela alfândega não é uma pessoa, é um ser que existe em função do Estado e está ontologicamente obrigado a tratar todos os seus símbolos como a um deus único.

Justiça

Como se deve escolher um Procurador Geral?

José Miguel Pinto dos Santos
259

Se Yoshimune fosse hoje Xogum em Portugal, que pessoa escolheria para PGR? Certamente alguém com respeito pela lei e justiça, e sem respeito pelo dinheiro e poder. E que fosse capaz de o por na ordem.

Politicamente Correto

Portuguesas e portugueses /premium

Rita Fontoura
161

Todos nos chocamos com a separação de crianças dos seus pais que se encontram ilegalmente num país, mas fazem-se leis que legitimam a possibilidade de se afastar definitivamente uma criança da sua mãe

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)