Rádio Observador

Açores

Lajes: entre os Pombos e a Águia

Autor

Se as instalações da aerogare das Lajes reclamam há muito por obras de manutenção, os pombos decidiram dar uma asinha – um eufemismo por motivos higiénicos – na degradação ambiental.

Quem utilizar a aerogare das Lajes, a principal porta de entrada e de saída da Terceira, depara-se com um cenário que contradiz a beleza da ilha. De facto, se as instalações reclamam há muito por obras de manutenção, os pombos decidiram dar uma asinha – um eufemismo por motivos higiénicos – na degradação ambiental.

Assim, as palas deixaram de ser um ornamento arquitetónico para se transformarem num enorme pombal. Uma estrutura concebida para permitir amplas vistas do céu e da pista está transformada numa espécie de placard a tender para o opaco devido aos excrementos saídos das cloacas columbinas.

Um cenário pouco agradável, sendo que a situação ainda piora quando os passageiros se veem obrigados a deambular por um piso repleto de marcas cinzento-esbranquiçadas.

Bem pode a diretora da aerogare, Isménia Alves, afirmar que as superfícies envidraçadas são limpas dia sim, dia não. Os pombos não respeitam essa calendarização. Estão ali todos os dias. Aquele é o seu pombal. Não há rede que valha quando a época é de acasalamento.

Soubessem os pombos ler e até poderiam invocar o precedente norte-americano. Na verdade, décadas de utilização das facilidades concedidas por Portugal na Base das Lajes foram acompanhadas por um nível de poluição – e não apenas sonora – muito mais intenso. Só que os militares dos EUA aprenderam a ser mais cuidadosos. Se, a princípio, embora tendo perfeito conhecimento de que era proibido usar o DDT em ambientes lacustres, pulverizaram a vila da Praia da Vitória e arredores, a partir de certa altura mudaram de estratégia.

Há alguns anos, numa vila alentejana, um médico ficou incomodado quando passou por um calceteiro e este o saudou chamando-lhe colega. Um incómodo que se desvaneceu quando o calceteiro lhe explicou que, na medicina como na arte de calcetar, a terra se encarrega de tapar os erros cometidos.

É seguro que os militares estadunidenses não tinham conhecimento deste episódio. Porém, a sua estratégia passou por algo semelhante. Decidiram que a melhor forma de resolver o problema era enterrá-lo. Como decorria da experiência acumulada noutras bases, a poluição só existe se os sentidos – sobretudo a visão – a captarem. Por isso, bastava fazer um aterro e encarceravam o problema no subsolo. Que os solos fossem permeáveis e que o lixo soterrado fosse tóxico ficava para mais tarde. Uma realidade que demorou a ser destapada e que, na conjuntura atual, continua a dividir opiniões, tanto no que concerne à dimensão das áreas afetadas pelo lixo enterrado e por derrames acidentais, como pelo processo relativo à descontaminação. Um problema bem mais difícil de solucionar do que a presença dos pombos na aerogare.

Por falar em pombos, um bom serviço seria que um deles assumisse a condição de pombo-correio. Aceitasse deixar, por alguns dias, a aerogare, voasse entre os gabinetes onde se sentam altos funcionários e ilustres técnicos sempre tão atarefados e regressasse aos Açores trazendo no bico o documento da reclassificação da aerogare em aeroporto internacional. Um documento que há muito tarda, apesar do discurso oficial.

Voltando à presença colombina na aerogare, apesar de o arquipélago dever o nome a uma ave, não é aconselhável pedir apoio à águia. Como no caso dos animais selvagens, é altamente provável que a Administração Trump não tivesse dúvidas de que o cianeto, a exemplo do DDT dos meados do século XX,  resolvia a questão.

Professor de Ciência Política

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

A Realidade na República Cor-de-Rosa

José Pinto

Séculos atrás, alguém tinha inventado que era preciso dividir para reinar. O grande líder, na sua República Cor-de-Rosa, ia revisitar o modelo, mas com a originalidade ditada pela conjuntura.

Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto
295

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Serviço Nacional de Saúde

SNS: Os Humanos

Fernando Leal da Costa

O Ministério não valoriza os seus melhores. Paradoxalmente, demoniza o recurso a todo o sistema, afunila a procura para um SNS saturado e, ao mesmo tempo, não valoriza os recursos humanos que tem.

História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
193

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Universidade de Coimbra

Fraca carne

Henrique Pereira dos Santos
4.202

Substituir carne por peixe (ou por vegetais), sem saber de que sistemas de produção (e de que ciência) estamos a falar é completamente vazio do ponto de vista da sustentabilidade ambiental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)