Pais e Filhos

Não dêem às notas a importância que elas não têm

Autor
20.296

Por favor, as crianças saudáveis não tiram sempre boas notas! Aprendem com os erros. Precisam dos enganos. E crescem com os insucessos. Haverá, por acaso, bons alunos sem bons professores?

Há momentos do ano em que tenho medo. Como este, que é altura de notas. Porque muitos pais, orgulhosíssimos dos seus filhos, lhes criam a eles e às outras crianças circunstâncias muito difíceis!

Fiquemo-nos por aquilo que se passa nos quatro primeiros anos do ensino básico. O que se ganha quando se expõem, nalgumas escolas, as notas destas crianças? Na verdade, não se trata de esperar que quer as suas dificuldades como os seus méritos sejam clandestinos, até porque as crianças se comparam entre si. Mas, mesmo assim, o que é que se ganha quando há mães e pais (embora, “regra geral”, os pais vão muito menos ver as notas dos filhos) a anotar as classificações dos amigos dos filhos, a comentá-las e a insurgirem-se com elas, em público, diante das próprias crianças?

O que se ganha quando algumas destas crianças — que terão ficado aquém daquilo que as mães entendiam ser justo para os filhos — são severamente repreendidas, à frente de todos, e, muito pior, com o argumento de que os colegas A e B tiveram melhores resultados que ele? O que se ganha quando algumas destas mães debatem no WhatsApp as notas das crianças, dando-lhes uma importância que elas não têm? O que se ganha quando há pais a premiar com comentários públicos de parabéns no Instagram as notas dos filhos, quando não fica muito claro se se congratulam com os resultados do seu trabalho ou com a forma como parecem alimentar a sua vaidade?

E o que dizer quando são as próprias crianças a competir entre si por melhores notas e a chamar aos colegas com mais dificuldades, naquele momento, alguns nomes feios (porque, afinal, não aprendem da mesma maneira e à mesma velocidade)? E o que se ganha quando os pais, de forma demasiado passiva, reconhecem que há turmas do primeiro ano (!!) em que as crianças são “muito competitivas” entre si, como se os pais e as escolas fossem estranhos a isso, e nada pudessem fazer para pôr cobro a essa deriva e as escolas destas crianças fossem campeãs dos défices de atenção e não só não entendessem o absurdo que isto lhes representa como não deixassem de o incentivar, mais do que parece?

Por favor, as crianças saudáveis não tiram sempre boas notas! Aprendem com os erros. Precisam dos enganos. E crescem com os insucessos. E convém não esquecer que as notas delas são mérito seu, claro, mas também não são estranhas à sensatez dos programas e à qualidade da escola e do ensino.

Por tudo isso, o que se ganha ao transformarmos crianças, que todos desejamos que aprendam a aprender, em bons alunos? Haverá, por acaso, bons alunos sem bons professores? E não é, igualmente, verdade que as notas de algumas destas crianças são um trabalho de parceria com alguns destes pais e mães, que estudam com elas, e que, por vezes, prescindem do seu trabalho em nome dos resultados escolares dos seus filhos? E não é verdade que todas as crianças são inteligentes e todas elas têm, nalgum “cantinho” da sua aprendizagem, algumas necessidades educativas especiais?

Por tudo isso, por favor, não atribuam às notas a importância que elas não têm. E não se esqueçam que, na ânsia de as terem a conquistar bons resultados, há pais e escolas a transformar crianças saudáveis em “alunos” com dificuldades…

*Eduardo Sá é psicólogo clínico e psicanalista. Este texto foi publicado originalmente em eduardosa.com

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Filhos

Guarda conjunta em residência alternada /premium

Eduardo Sá
726

A recomendação de ser “regra” o regime de guarda conjunta com residência alternada, se mal gerida, pode trazer a muitas crianças uma regulação da responsabilidade parental mais populista do que justa.

Pais e Filhos

O lado feminino dos homens /premium

Eduardo Sá
107

Pergunto-me o que é que aconteceria se nós chamássemos ao "lado de leoa" duma mãe, por exemplo, "o lado masculino" de uma mulher. Tenho medo que, de dedo em riste, alguém achasse sexista…

Crianças

Os chimpanzés não contam histórias

Eduardo Sá
3.089

Uma escola de Barcelona retirou livros como "A Bela Adormecida" e o "Capuchinho Vermelho", por as considerarem histórias tóxicas ou sexistas. E o mais grave é que esta onda populista não parece parar.

Pais e Filhos

O lado feminino dos homens /premium

Eduardo Sá
107

Pergunto-me o que é que aconteceria se nós chamássemos ao "lado de leoa" duma mãe, por exemplo, "o lado masculino" de uma mulher. Tenho medo que, de dedo em riste, alguém achasse sexista…

Pais e Filhos

Facilitar a vida às mães /premium

Maria João Marques
173

No primeiro filho uma proporção semelhante de pais e mães teve um acréscimo de felicidade. Depois do segundo filho os pais tiveram igualmente um acréscimo de felicidade, mas muito menos mães o tiveram

Família

Filhos de cabeceira /premium

Laurinda Alves
2.080

Trazer os pais para casa nunca é fácil, sobretudo para eles, mas muito mais importante do que a perturbação que esta decisão provoca no interior das famílias, é o equilíbrio que lhes devolve a eles.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)