Rádio Observador

Serviço Nacional de Saúde

Nós não somos parvos! Nós não somos números! Nós somos seres humanos!

Autor
  • Vera Gomes
356

As Margaridas e as Joanas deste país são pessoas que recorrem ao SNS em busca de ajuda e aí não encontram o cuidado ou tratamento atempado com consequências devastadoras para elas e os que as rodeiam.

A Margarida tem uma filha com 4 anos, uma empresa e um buraco no pulmão. Depois de dois internamentos, antibióticos, cortisona e morfina, está em casa, com a vida suspensa em sofrimento. Aguarda há mais de 3 meses que o Serviço Nacional de Saúde marque a cirurgia que poderá ajudar a resolver a situação e lhe devolva a vida.

A Joana tem um filho com 16 anos, reformada por invalidez desde os 29 anos devido a uma doença crónica que já lhe valeu cinco cirurgias, que lhe trouxe outra doença auto-imune e agora… problemas sérios de oftalmologia. Tão sérios que requer cirurgia urgente por risco de perder completamente a visão. Por ser urgente, os exames necessários para proseguir com a cirurgia serão realizados em Outubro e depois terá ainda que aguardar que a intervenção seja agendada. E dizem que tudo foi pedido com carácter de urgência…

No Sistema Nacional de Saúde há cirurgias que foram canceladas por falta de material básico, há grávidas a fazer 200 quilómetros por falta de médicos especialistas, há notícias diárias de hospitais que não conseguem assegurar medicação que garante qualidade de vida a doentes crónicos.

Querem mais um exemplo? Quantas ostomias e/ ou cirurgias seriam evitadas em Portugal, se a autorização para a admnistração dos medicamentos para tratar doenças inflamatórias do intestino fosse concedida mais rapidamente? Ninguém sabe. Porque simplesmente não há estatísticas oficiais que permitam fazer a avaliação.

Isto não é num país em vias de desenvolvimento. Isto é em Portugal! Portugal, o membro da União Europeia que recebe milhões de euros de fundos europeus para investir em melhores serviços e cuidados de saúde aos seus cidadãos.

Mário Centeno disse publicamente, e cito: “O Estado hoje tem mais recursos afetos ao Serviço Nacional de Saúde. Eu tenho a certeza de uma coisa: o Serviço Nacional de Saúde, hoje, é melhor do que era em 2015. Não tenho nenhuma dúvida sobre isto. O serviço que é prestado hoje na saúde aos portugueses é melhor do que era em 2015. Mil e seiscentos milhões de euros por ano não podem ser despesa em vão, e não são”.

Eu diria: eu tenho a certeza que o Serviço Nacional de Saúde está uma lástima! As Margaridas e as Joanas deste país concordarão comigo! Porque são pessoas, senhores, são pessoas que recorrem ao Serviço Nacional de Saúde em busca de ajuda para os seus problemas de saúde. O cuidado ou tratamento não atempado tem consequências devastadoras não só na saúde e qualidade de vida dos pacientes, mas também nas pessoas que os rodeiam: maridos, esposas, filhos, país, avós.

O Serviço Nacional de Saúde precisa de medidas concretas para garantir cuidados de saúde de qualidade e atempadamente aos utentes: contratação de recursos humanos para garantir que as equipas estão completas; recursos financeiro e boas práticas de gestão para garantir o stock de materiais básicos; revisão dos processos de autorização de acesso a medicamentos para que seja mais célere e por último, medidas concretas e significativas que reduzam as listas de espera.

Numa altura em que muito se anuncia em prol de uma campanha eleitoral, o que os cidadãos portugueses querem e precisam é de medidas concretas e reais que tornem o Serviço Nacional de Saúde eficiente e ao serviço dos cidadãos. É que ao contrário do que pensam os senhores políticos em campanha eleitoral: o cidadão não é parvo! E sabe bem distinguir o trigo do joio que lhe tentam impingir!

Gestora do projecto “www.crohncolite.pt” e autora do livro “ConViver com as Doenças Inflamatórias do Intestino”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)